Notícias
Ver matéria completa ...
Padre Gilmar Margotto completa mais um ano de vida no dia 02/07

No dia 02 de julho, o padre Gilmar Antonio Fernandes Margotto, pároco da Catedral Nossa Senhora Aparecida, comemora mais um ano de vida. Padre Gilmar nasceu em Votuporanga, no dia 02 de julho de 1970, filho de José Margotto (in memorian) e de Maria Fernandes Margotto, tendo como irmãs Maria de Fátima, Rosely e Neide Ely. Ele foi batizado na Igreja Matriz de Votuporanga pelo Frei Tarcísio Leite no dia 25 de agosto de 1970. Viveu parte de sua infância na cidade de Cosmorama. Foi crismado também na Igreja Matriz por Dom José de Aquino Pereira. 

Em 1988, aos 17 anos, padre Gilmar aceitou o chamado de Deus e ingressou no Seminário Diocesano em São José do Rio Preto, sendo ordenado diácono em 13 de maio de 1994 e ordenado presbítero no dia 27 de janeiro de 1995. Ambas as celebrações foram realizadas na Igreja Matriz de Votuporanga e presididas por Dom José de Aquino Pereira.       

Menos de um mês após a sua ordenação presbiteral, foi nomeado pároco da recém-criada Paróquia Senhor Bom Jesus de Votuporanga. Durante mais de 16 anos, o padre Gilmar esteve à frente da Paróquia Senhor Bom Jesus. Padre Gilmar também é formado em Psicologia pelo Centro Universitário do Norte Paulista (UNORP). Juntamente com os padres Edemur José Alves (falecido em 2011) e Carlos Rodrigues dos Santos, ele formou a Comissão Diocesana de Estudos para a criação da Diocese de Votuporanga. 

Em setembro de 2011, após o falecimento do padre Edemur José Alves, de quem era muito amigo, foi convidado pelo bispo diocesano a assumir a Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Em meio a dor em deixar sua comunidade tão amada e o entusiasmo em assumir um novo desafio que a Igreja o confiava, ele aceitou o convite do bispo, tomando posse no dia 26 de outubro de 2011. 

Nestes 8 anos o padre Gilmar cativou a todos os paroquianos da Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Como destaque de seu trabalho estão a reorganização territorial, reforma do Salão, Secretaria Paroquial e das sacristias, construção do Centro de Eventos, volta das badaladas do relógio, instalação dos vitrais, celebração dos sacramentos, Missa em todos os dias da semana, comemoração dos 70 anos da paróquia, transmissão da missa pela internet, criação da Web Rádio e Web TV, incentivo aos trabalhos sociais dos Vicentinos, Pastoral da Criança e Casa Abrigo, Missão de Evangelização nos Setores, entre outros. Além disso, Padre Gilmar atuou na Comissão de Criação da Diocese de Votuporanga desde 2010 e em 2016, com a instalação da nova diocese, o sacerdote tornou-se o Cura da Catedral.

Além de pároco da Catedral, Padre Gilmar atua como membro do Colégio dos Consultores da Diocese e é Assessor Diocesano de Comunicação.

Parabéns Padre Gilmar, que o senhor tenha muitos anos de vida, cheios de paz e saúde e repletos das bênçãos do Altíssimo.

Ver matéria completa ...
Documento sobre Catequese aborda cultura digital e a globalização da cultura

O novo Diretório Geral para a Catequese, herdeiro do “Diretório Geral para a Catequese” de 1971 e do “Diretório Geral para a Catequese” de 1997, publicado nesta semana no Vaticano, durante apresentação Dom Rino Fisichella, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização,  traz um caminho de amadurecimento para aqueles que receberam o anúncio da Boa Nova.

O documento, elaborado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, foi aprovado pelo Santo Padre no dia em que a Liturgia celebrava a memória litúrgica de São Turíbio de Mogrovejo, que, no século XVI, deu um forte impulso à evangelização e à catequese.

A peculiaridade do novo Diretório é a estreita ligação entre a Evangelização e a Catequese, que destaca a íntima união entre o primeiro anúncio e o amadurecimento da fé, à luz da cultura do encontro. Tal peculiaridade – lê-se no texto – torna-se bem mais necessária diante de dois desafios para a Igreja, na época contemporânea: “a cultura digital e a globalização da cultura”.

Em mais de 300 páginas, divididas em 3 partes e 12 capítulos, o texto do novo Diretório recorda que “todo batizado é um discípulo missionário” e que “são urgentes esforços e responsabilidades, necessários para encontrar novos instrumentos de linguagem para comunicar a fé”.

Os princípios basilares, com os quais podemos agir, são três: “testemunho, misericórdia e diálogo”. Testemunho, porque “a Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração”; misericórdia, “por meio da qual a verdadeira catequese torna crível a proclamação da fé”; diálogo, “livre e gratuito, que não obriga, mas, partindo do amor, contribui para a construção da paz”. Assim, – explica o Diretório – “a catequese ajuda os cristãos a dar pleno sentido à sua existência”.

O novo Diretório é dividido em três partes: a primeira, dedicada à “Catequese na missão evangelizadora da Igreja”, fala da formação dos catequistas; a segunda, intitulada “O processo da Catequese”, frisa a importância da família: parte integrante e ativa da evangelização; e a terceira, dedicada à “catequese nas Igrejas particulares”, ressalta o papel das paróquias, definido como “exemplo de apostolado comunitário”: catequese criativa e ensino da religião”.

Aspectos essenciais da Catequese

Outras partes especiais da Catequese, segundo o novo Diretório, são: “ecumenismo, diálogo inter-religioso com o Judaísmo e o Islamismo”. A catequese deve “despertar o desejo de unidade” entre os cristãos, se quiser ser “um instrumento crível de evangelização”. Quanto ao Judaísmo, convida-se a manter um diálogo para combater o antissemitismo e promover a paz e a justiça.

Diante do fundamentalismo violento, que, às vezes se defronta com o Islamismo, a Igreja exorta a favorecer o conhecimento e encontro com os muçulmanos. Em um contexto de pluralismo religioso, a Catequese deve “aprofundar e fortalecer a identidade dos fiéis”, promovendo o impulso missionário, mediante o testemunho e um diálogo “afável e cordial”.

Cultura digital

O novo Diretório Geral para a Catequese reflete ainda sobre a “cultura digital”, hoje “natural”, que mudou a linguagem e as hierarquias dos valores em escala global. Tal cultura é rica de aspectos positivos, apesar do seu “lado sombrio”, que pode causar solidão, manipulação, violência, cyber-bullying, preconceito, ódio. Aqui, os jovens devem ser acompanhados a buscar sua liberdade interior, para se diferenciar do “rebanho social”.

Além da cultural digital, o Documento aborda também a ciência e a tecnologia, que devem ser orientadas para melhorar as condições de vida da família humana; trata ainda da bioética, partindo do pressuposto de que “nem tudo o que é tecnicamente possível é moralmente admissível”, partindo do princípio da sacralidade e inviolabilidade da vida humana, em contraste com a cultura da morte; aconselha a discernir entre intervenções, manipulações terapêuticas e eugenia; sugere a tratar, numa perspectiva de fé, “a sexualidade, como resposta à chamada original de Deus”.

Enfim, o novo Documento do Vaticano faz referência a uma “profunda conversão ecológica”, promovida por uma catequese em defesa da Criação, do bem comum, dos direitos dos mais fracos.

Ver matéria completa ...
Não há amor verdadeiro sem cruz, afirma Papa

O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus deste domingo, 28, da janela da residência pontifícia vaticana, junto com alguns fiéis que se encontravam na Praça São Pedro. Na reflexão que precedeu a oração, o Papa recordou que o Evangelho deste domingo convida homens e mulheres a viver plenamente e sem hesitação a adesão ao Senhor. “Jesus pede aos seus discípulos que levem a sério as exigências do Evangelho, mesmo quando isto requer sacrifício e esforço”, frisou.

Segundo o Pontífice, o primeiro pedido exigente que Jesus faz àqueles que O seguem é que coloquem o amor a Ele acima dos afetos familiares. “Ele diz: ‘Quem ama o pai ou a mãe, […] o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim'”. Em seguida, o Santo Padre acrescentou:

“Jesus não pretende certamente subestimar o amor pelos pais e filhos, mas sabe que os laços de parentesco, se forem postos em primeiro ugar, podem desviar-se do verdadeiro bem. Vemos algumas corrupções nos governos ocorre porque o amor pelo parentesco é maior que o amor pela pátria e eles colocam os parentes no comando. O mesmo com Jesus: quando o amor é maior que Ele, não é uma coisa boa”.

Francisco prosseguiu: “Todos nós poderíamos dar muitos exemplos a este respeito. Sem mencionar as situações em que os afetos familiares se misturam com escolhas opostas ao Evangelho. Quando, por outro lado, o amor pelos pais e filhos é animado e purificado pelo amor ao Senhor, então torna-se plenamente fecundo e produz frutos de bem na própria família e muito para além dela”.

O Papa recordou que Jesus repreende os doutores da lei que fazem com que os pais não tenham o necessário com a pretensão de entregá-lo ao altar, de entregá-lo à Igreja. “Ele os repreende! O verdadeiro amor a Jesus exige um amor verdadeiro pelos pais, pelos filhos, mas primeiro buscamos o interesse familiar, isso sempre leva a um caminho errado”.

“Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim”, diz Jesus aos seus discípulos, destaca o Pontífice. “É uma questão de o seguir no caminho que Ele percorreu, sem procurar atalhos. Não há amor verdadeiro sem cruz, ou seja, sem um preço a pagar pessoalmente. E muitas mães dizem isso, muitos pais que se sacrificam muito pelo filho e carregam verdadeiros sacrifícios, cruzes, mas porque amam.”

Carregada com Jesus, a cruz não é assustadora, porque Ele está sempre presente, dando apoio na hora da provação mais dura, para dar força e coragem, afirmou o Santo Padre. Francisco também falou sobre a necessidade que homens e mulheres apresentam de preservar a própria vida, com atitudes temerosas e egoístas. “Jesus adverte: ‘Quem procura conservar a própria vida, vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim’, ou seja, por amor a Jesus, por amor ao próximo, pelo serviço aos outros, ‘vai encontrá-la’. Este é o paradoxo do Evangelho”, destaca o Papa.

Para o Pontífice, hoje, há muitos exemplos de pessoas que dão a vida por Jesus, pelo próximo.“Vemos isso hoje nesses dias. Quantas pessoas, quantas pessoas, estão carregando cruzes para ajudar os outros, se sacrificam para ajudar os que precisam nesta pandemia. Mas, sempre com Jesus, é possível fazer”. Segundo Francisco, a plenitude da vida e da alegria é encontrada através da doação de si mesmo pelo Evangelho e pelos irmãos, com abertura, aceitação e benevolência. “Ao fazê-lo, podemos experimentar a generosidade e gratidão de Deus”.

No Evangelho deste domingo, Jesus diz também: “Quem recebe a vocês, recebe a mim […]. Quem der ainda que seja apenas um copo de água fria a um desses pequeninos […] não perderá a sua recompensa”. O Papa frisou: “A gratidão generosa de Deus Pai leva em consideração até o mais pequeno gesto de amor e serviço prestado aos irmãos”.

“Nesses dias, ouvi um sacerdote que ficou comovido porque uma criança se aproximou dele na paróquia e disse: ‘Padre, estas são as minhas economias; pouca coisa. É para os seus pobres, para aqueles que precisam hoje por causa da pandemia’. Coisa pequena, mas uma coisa grande. É uma gratidão contagiosa, que ajuda cada um de nós a sentir gratidão por aqueles que se preocupam com as nossas necessidades”, refletiu.

O Santo Padre continuou: “Quando alguém nos oferece um serviço, não devemos pensar que tudo nos é devido. Não. Muitos serviços são feitos gratuitamente. Pensem no voluntariado, que é uma das maiores coisas que a sociedade italiana tem. Os voluntários! Quantos deles perderam a vida nessa pandemia. Isso é feito por amor, simplesmente para o serviço. A gratidão, o reconhecimento, é antes de tudo um sinal de boa educação, mas é também um distintivo do cristão. É um sinal simples mas genuíno do reino de Deus, que é o reino do amor gratuito e reconhecido”.

O Papa concluiu, pedindo a Virgem Maria, que amou Jesus mais do que a sua própria vida e o seguiu até a cruz, para que ajude a todos, colocando homens e mulheres sempre diante de Deus com um coração disponível, deixando que a sua Palavra julgue os comportamentos e as escolhas.

Ver matéria completa ...
Pedro e Paulo não só falaram, mas também morreram pelo seu Senhor, lembra cardeal

O Cardeal Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, explica que no lugar do 13º domingo do tempo comum, neste ano, teremos essa solenidade dos apóstolos.

“Cada ano a liturgia nos leva a meditar sobre a vida destes dois grandes Apóstolos. Pedro é considerado “o cabeça dos apóstolos”, por ter sido um dos principais líderes da Igreja Cristã primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor de amor a Jesus”, destaca o cardeal.

Pedro, príncipe dos Apóstolos

O cardeal conta que Pedro, que tinha como primeiro nome Simão, era natural de Betsaida, irmão do Apóstolo André. Pescador, foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro. Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em sua morte por crucifixão.

“O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho, de modo especial, após a descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como Seu Senhor, Jesus Cristo. São Pedro escreveu duas cartas e, também, serviu como fonte de informações para que São Marcos escrevesse seu Evangelho”, comenta dom Orani.

Nesse dia também comemora-se o Dia do Papa com orações e unidade com aquele que sucede hoje a Pedro: o Papa Francisco. “O nosso presente para o Papa, que é o óbolo de São Pedro, neste ano, será oferecido pelo povo de Deus na coleta das missas do dia 4 de outubro (São Francisco de Assis), por determinação do Papa Francisco. É com esse óbolo que tantas nações e situações são ajudadas pelo Papa pelo mundo afora”, afirma o cardeal.

Paulo, apóstolo dos gentios

Dom Orani explica que o apóstolo das gentes, Paulo, nasceu entre os anos de 5 e 10 da era cristã, em Tarso, capital da Cilícia, na Ásia Menor, cidade aberta às influências culturais e às trocas comerciais entre o Oriente e o Ocidente. Descende de uma família de judeus da diáspora, pertencente à tribo de Benjamim, que observava rigorosamente a religião dos seus pais, sem recusar os contatos com a vida e a cultura do Império Romano.

Segundo o arcebispo, os pais deram-lhe o nome de Saul (nome do primeiro rei dos judeus) que, depois, tornou-se Paulo. O nome Saul passou para Saulo porque assim era este nome em grego. Mais tarde, a partir da sua primeira viagem missionária no mundo greco-romano, Paulo usa exclusivamente o sobrenome latino Paulus.

Dom Orani explica também que Paulo recebeu a sua primeira educação religiosa em Tarso tendo por base o Pentateuco e a lei de Moisés. A partir do ano 25 (d.C.) vai para Jerusalém onde frequenta as aulas de Gamaliel, aprofundando com ele o conhecimento do Pentateuco escrito e oral. Aprende a falar e a escrever aramaico, hebraico, grego e latim. Pode falar publicamente em grego ao tribuno romano, em hebraico à multidão em Jerusalém (At 21, 37.40) e catequizar hebreus, gregos e romanos.

“Paulo é chamado o Apóstolo por ter sido o maior anunciador do cristianismo nos tempos apostólicos. Entre as grandes figuras do cristianismo nascente, a seguir a Cristo, Paulo é de fato a personalidade mais importante que conhecemos. É uma das pessoas mais interessantes e modernas de toda a literatura grega, e a sua Carta aos Coríntios é das obras mais significativas da humanidade. Escreveu 13 cartas às Igrejas por ele fundadas: cartas grandes: duas aos tessalonicenses; duas aos coríntios; aos gálatas; aos romanos. Cartas da prisão: aos filipenses; bilhete a Filemon; aos colossenses; aos efésios. Cartas pastorais: duas a Timóteo e uma a Tito”, comenta cardeal Orani.

Os apóstolos, segundo o cardeal, testemunharam Jesus não somente com a palavra, mas também com o modo de viver e com a própria morte. “Por isso mesmo, seu martírio é uma festa para a Igreja, pois é o selo de tudo quanto anunciaram”, diz o bispo.

“Eis o sinal do verdadeiro Apóstolo: dar a vida pelo rebanho, com Jesus e como Jesus, gastando-se, morrendo, para que os irmãos vivam no Senhor! Por isso, caríssimos meus, a alegria da Igreja na Festa: Pedro e Paulo não só falaram, não só viveram, mas também morreram pelo seu Senhor; e já sabemos pelo próprio Cristo-Deus que não há maior prova de amor que dar a vida por quem amamos! Bem-aventurado é Pedro, bendito é Paulo, que amaram tanto o Senhor a ponto de darem a vida por ele! Nisto são um exemplo, um modelo, uma norma de vida para todos nós. Aprendamos com eles!”, finaliza dom Orani.

Ver matéria completa ...
Papa no Angelus: a maior graça é fazer da vida um dom

Após presidir a celebração da Missa na Basílica Vaticana, o Papa Francisco rezou o Angelus com os fiéis na Praça São Pedro por ocasião da festa dos santos padroeiros de Roma.

Em sua alocução, comentou o episódio da vida de Pedro em que um anjo o libertou da prisão, salvando-o da morte, mas o mesmo não ocorreu em Roma e sua vida não foi poupada.

“O Senhor lhe concedeu muitas graças e o libertou do mal: faz assim também conosco. Ou melhor, com frequência vamos até Ele só nos momentos de necessidade, a pedir ajuda. Mas Deus vê mais longe e nos convida a ir além, a buscar não só os seus dons, mas Ele, o Senhor de todos os dons; a confiar-lhe não só os problemas, mas a vida.”

Fazer da vida um dom

A maior graça, disse o Papa, é doar a vida, é fazer da vida um dom. E isso vale para todos, na família, no trabalho e para quem é consagrado. De modo especial, Francisco citou os idosos abandonados pela família, como se fossem “material descartável”. “Este é um drama do nosso tempo: a solidão dos idosos.”

São Pedro não se tornou herói por ter sido libertado da prisão, mas por ter dado a vida aqui, transformando um lugar de execuções num lugar de esperança, que é a Basílica Vaticana. “Eis o que pedir a Deus: não só a graça do momento, mas a graça da vida.”

O segredo da vida feliz é reconhecer Jesus como Deus vivo, “não como uma estátua”, porque não importa saber que Jesus foi grande na história e apreciar o que fez, mas importa saber qual lugar dou a Ele na minha vida, no meu coração.

É a este ponto que Jesus diz a Simão: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. Foi chamado pedra não porque era confiável, pelo contrário, explicou Francisco, mas porque escolheu construir a vida sobre Jesus, não sobre suas capacidades. “É Jesus a rocha sobre a qual Simão se tornou pedra”.

O Papa, então, concluiu com algumas perguntas aos fiéis: “E eu, como vivo a vida? Penso só nas necessidades do momento ou acredito que a minha verdadeira necessidade é Jesus, que faz de mim um dom? E como construo a vida, sobre as minhas capacidades ou sobre o Deus vivo? Que Nossa Senhora nos ajude a colocá-Lo na base de cada dia e interceda para que possamos fazer da nossa vida um dom”.

Ver matéria completa ...
Precisamos de testemunhos de que o Evangelho é possível, afirma Papa

“Como o Senhor transformou Simão em Pedro, assim chama a cada um para fazer de nós pedras vivas, com as quais deseja construir uma Igreja e uma humanidade renovadas. Há sempre quem destrua a unidade e quem apague a profecia, mas o Senhor acredita em nós e pede: ‘Queres ser construtor de unidade? Queres ser profeta do meu céu na terra?’ Deixemo-nos provocar por Jesus e ganhemos a coragem de Lhe dizer: ‘Sim, quero’!”. Esta foi a exortação do Papa Francisco na missa desta segunda-feira, 29,  na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo, celebrada no Altar da Cátedra da Basílica de São Pedro.

Na presença de cerca de 90 fiéis – tomando todos os cuidados para evitar a nova onda de contágio por coronavírus, o Santo Padre destacou durante a celebração, duas palavras-chave: unidade e profecia. No início da Missa, após a saudação litúrgica, o Decano do Colégio Cardinalício, cardeal Giovanni Battista Re fez um breve pronunciamento, que antecedeu o rito da benção dos pálios que serão entregues aos Arcebispos Metropolitas nomeados no decorrer do último ano. O cardeal Re recebeu o pálio do próprio Papa Francisco.

Unidade

A reflexão do Pontífice parte da familiaridade que unia Pedro e Paulo. “Duas pessoas muito diferentes, mas sentiam-se irmãos, como numa família unida onde muitas vezes se discute mas sem deixar de se amarem”, uma familiaridade que “não provinha de inclinações naturais, mas do Senhor. Ele não nos mandou agradar, mas amar. É Ele que nos une, sem nos uniformizar”.

Francisco observa que, em meio às perseguições, os primeiros cristãos não pensam em fugir ou salvar a própria pele, “mas todos rezam juntos” e enfatizou que “a unidade é um princípio que se ativa com a oração, porque a oração permite ao Espírito Santo intervir, abrir à esperança, encurtar as distâncias, manter-nos juntos nas dificuldades”.

Oração: caminho para a unidade

“Naqueles momentos dramáticos, ninguém se lamenta do mal, das perseguições”, pois “é inútil, e até chato, que os cristãos percam tempo se lamentando do mundo, da sociedade, daquilo que está errado. As lamentações não mudam nada”. Ao contrário, aqueles cristãos rezavam. Hoje, podemos interrogar-nos: ‘Guardamos a nossa unidade com a oração? Rezamos uns pelos outros?’.

O Papa questionou: “Que aconteceria se rezasse mais e murmurasse menos? Aquilo que aconteceu a Pedro na prisão: como então, muitas portas que separam, abrir-se-iam; muitas algemas que imobilizam, cairiam. Peçamos a graça de saber rezar uns pelos outros”. São Paulo, completou o Santo Padre, exortava os cristãos a rezar por todos, mas em primeiro lugar por quem governa:

“É uma tarefa que o Senhor nos confia. Temo-la cumprido? Ou limitamo-nos a falar? Quando rezamos, Deus espera que nos lembremos também de quem não pensa como nós, de quem nos bateu a porta na cara, das pessoas a quem nos custa perdoar. Só a oração desata as algemas, só a oração deixa livre o caminho para a unidade”.

Pedro e André

O Pontífice recorda que o pálio abençoado “recorda a unidade entre as ovelhas e o Pastor que, como Jesus, carrega a ovelha nos ombros e nunca mais a larga”. Ao mesmo tempo, fala da bela tradição deste dia em que “unimo-nos de maneira especial ao Patriarcado Ecumênico de Constantinopla: “Pedro e André eram irmãos; e entre nós, quando é possível, trocamos uma visita fraterna nas respectivas festas; não tanto por gentileza, mas para caminhar juntos rumo à meta que o Senhor nos indica: a unidade plena”.

A verdadeira profecia

Depois da unidade, o Santo Padre fala de uma segunda palavra: profecia. Com perguntas provocatórias, Jesus faz Pedro entender que “não Lhe interessam as opiniões gerais, mas a opção pessoal de O seguir”, e a Saulo, o abala interiormente, fazendo-o cair por terra no caminho para Damasco, derrubando “sua presunção de homem religioso e bom”. Então, vem as profecias: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16, 18); e a Paulo: “É instrumento da minha escolha, para levar o meu nome perante os pagãos” (At 9, 15):

“Assim, a profecia nasce quando nos deixamos provocar por Deus: não quando gerimos a própria tranquilidade, mantendo tudo sob controle. Quando o Evangelho inverte as certezas, brota a profecia. Só quem se abre às surpresas de Deus é que se torna profeta”. E isso, pode ser visto em Pedro e Paulo, profetas que enxergam mais além: “Pedro é o primeiro a proclamar que Jesus é ‘o Messias, o Filho de Deus vivo’; Paulo antecipa a conclusão da sua vida: ‘Já me aguarda a merecida coroa, que me entregará, naquele dia, o Senhor'”.

Francisco prosseguiu: “Hoje precisamos de profecia, de verdadeira profecia: não discursos que prometem o impossível, mas testemunhos de que o Evangelho é possível. Não são necessárias manifestações miraculosas, mas vidas que manifestam o milagre do amor de Deus. Não potência, mas coerência; não palavras, mas oração; não proclamações, mas serviço; não teoria, mas testemunho. Precisamos não de ser ricos, mas de amar os pobres; não de ganhar para nós, mas de nos gastarmos pelos outros; não do consenso do mundo, mas da alegria pelo mundo que virá; não de projetos pastorais eficientes, mas de pastores que ofereçam a vida: de enamorados de Deus”.

E foi como “enamorados de Deus” que Pedro e Paulo anunciaram Jesus, sublinhou Francisco. “Pedro, antes de ser colocado na cruz, não pensa em si mesmo, mas no seu Senhor e, considerando-se indigno de morrer como Ele, pede para ser crucificado de cabeça para baixo. Paulo está para ser decapitado e pensa só em dar a vida, escrevendo que quer ser ‘oferecido como sacrifício’. Isto é profecia. E muda a história”.

Também existe uma profecia, descrita no Livro do Apocalipse, quando Jesus promete às suas testemunhas fiéis “uma pedra branca”, na qual “estará gravado um novo nome”, recorda o Papa. E assim, explica o Santo Padre, “como o Senhor transformou Simão em Pedro, assim chama a cada um para fazer de nós pedras vivas, com as quais deseja construir uma Igreja e uma humanidade renovadas”.

Ver matéria completa ...
Na festa dos santos Pedro e Paulo, Papa saúda o Patriarca Bartolomeu

Ao saudar os fiéis na Praça São Pedro após o Angelus desta segunda-feira, 29 – Solenidade dos Santos Pedro e Paulo – o Papa Francisco dirigiu uma saudação especial ao Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, que em decorrência da pandemia não pôde enviar uma delegação a Roma, como tradicionalmente acontece nesta solenidade.

“Portanto, envio espiritualmente um abraço ao querido irmão o Patriarca Bartolomeu, na esperança que possam ser retomadas o mais rápido possível nossas recíprocas visitas.”

Na festa de Santo André, em 30 de novembro, é a Santa Sé que envia uma delegação a Istambul. Momentos antes, na celebração eucarística na Basílica Vaticana, o Pontífice mencionou a ausência dos ortodoxos, mas disse que sentiu a presença do “amado irmão Bartolomeu” ao rezar diante das relíquias de São Pedro.

Ainda nas saudações, Francisco mencionou também os mártires decapitados, queimados vivos e assassinados, sobretudo durante o império de Nero. “Esta terra em que nos encontramos é ensanguentada pelos nossos irmãos cristãos”, disse o Pontífice, recordando que amanhã se celebra a comemoração dos mártires.

O Papa concluiu a sua saudação fazendo votos de que a visita aos túmulos dos Apóstolos reforce a fé e o testemunho dos peregrinos, e desejou a todos um bom feriado

Ver matéria completa ...
Cristo Redentor acolhe primeiro grande tributo às vítimas da Covid-19

Nesta quarta-feira, 1º de julho, acontecerá uma Missa em tributo às vítimas das Covid-19 com o tema “Para cada vida”. A homenagem é promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira, com apoio do Verificado – iniciativa das Nações Unidas para combate à desinformação.

A celebração, que será realizada no Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, a partir das 19h, e transmitida ao vivo pelo Youtube e Facebook – @cnbbnacional e @caritasbrasileira – trará mensagens de solidariedade às famílias afetadas pelas perdas nesta pandemia, de gratidão aos trabalhadores e voluntários anônimos, assim como aos profissionais da saúde que estão atuando diante de um desafio mundial, e de esperança a todos os brasileiros.

A missa terá a honra de contar com uma mensagem de solidariedade e uma bênção do Papa Francisco, e também com uma mensagem de Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB.

A cerimônia religiosa será presidida pelo cardeal brasileiro, arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta. “A nossa arquidiocese foi escolhida para ser o lugar de manifestar a nossa solidariedade e oração por aqueles que faleceram com essa pandemia. Justamente nesse altar, que é o Cristo Redentor, queremos colocar todas as pessoas do mundo inteiro que partiram, para que sejam recebidas na casa do Pai. E rezar pelos seus familiares para que consolados prossigamos na procura do bem e da paz”, disse o Cardeal.

Em seguida, uma projeção impactante será transmitida no Cristo Redentor, um dos maiores cartões-postais do mundo. Para encerramento da celebração, haverá um show da cantora Alcione, contribuindo para promover um momento de esperança, essencial em meio ao sentimento de fragilidade do cenário atual.

Com a celebração, a CNBB, a Cáritas Brasileira e o Verificado têm o objetivo de proporcionar uma homenagem para cada vida, além de humanizar este momento crítico pelo qual o mundo está passando, dando luz às vidas perdidas, que tendem a serem apenas estatísticas devido ao alto número de óbitos diários.

A celebração “Para Cada Vida” conta com o apoio do projeto Verificado, uma iniciativa global da Nações Unidas, que busca inundar os canais de comunicação com informações verificadas e transmitidas pela ONU envolvendo os temas de ciência, solidariedade e soluções, combatendo assim, a infodemia de desinformações em meio a esta pandemia que assola o mundo.

O projeto conta com a colaboração da Purpose, uma das maiores organizações de mobilização social do mundo, e com o apoio de articulação do NEXUS, movimento global que facilita espaços de encontro entre as novas gerações de filantropos, empreendedores sociais e investidores de impacto.

Sobre o projeto Verificado

O projeto Verificado é uma iniciativa global ONU que tem o objetivo de combater a infodemia de desinformação em meio à pandemia, compartilhar informações que salvam vidas e orientações baseadas em fatos e histórias do melhor da humanidade. O site Verificado traz uma galeria de informações verificadas e transmitidas pelas Nações Unidas. Na busca de inundar os canais de comunicação, as mensagens são baseadas em três frentes: Ciência – para salvar vidas, Solidariedade – para promover cooperação local e global; e Soluções – para defender o apoio a populações impactada.

Acesse: www.compartilheverificado.com.br

Ver matéria completa ...
Primeira viagem do Papa João Paulo II ao Brasil completa 40 anos

No dia 30 de junho de 40 anos atrás, em 1980, o solo de Brasília foi beijado por São João Paulo II, para a primeira das quatro visitas que o Papa polonês realizou ao Brasil no decorrer do seu pontificado. “Abraço neste momento – ao menos em espírito – cada pessoa que vive nesta pátria brasileira. O Papa pensa em cada um. Ele ama a todos e a todos envia um cumprimento bem brasileiro: ‘um abraço!’”, foi o que afirmou João Paulo II.

Com esse gesto de amizade, o Papa pediu aos brasileiros que recebessem os seus votos de felicidades. “Deus abençoe o vosso Brasil. Deus abençoe a todos vós, brasileiros, com a paz e a prosperidade, a serena concórdia na compreensão e na fraternidade. Sob o olhar materno e a proteção de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil!”.

Leia também
.: João Paulo II: o Papa que tocou o coração dos jovens
.: Curiosidades sobre a vida e pontificado de João Paulo II

Os números e o fôlego de Karol Wojtyla impressionam. Em 13 dias (a viagem se concluiu em 12 de julho), ele cruzou o Brasil de norte a sul, percorrendo quase 15 mil quilômetros. Além de Brasília, esteve em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Aparecida, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife, Teresina, Belém, Fortaleza e Manaus, de onde se despediu do país.

Ninguém ficou de fora: o Papa se reuniu com autoridades – o presidente na época era João Figueiredo -, corpo diplomático, seminaristas, religiosas, religiosos, sacerdotes, bispos. Visitou pontos turísticos, como o Corcovado, penitenciárias, leprosários, favelas. Manteve encontros com a comunidade judaica, polonesa, com ortodoxos, homens da cultura, operários, estudantes, líderes das Comunidades Eclesiais de Base e indígenas.

Mas mais do que os números, ficaram indeléveis as palavras e, sobretudo, os gestos de afeto para com o brasileiro. “Aprendi, por exemplo, que ‘quem parte leva saudades’. Devo confessar que já estou sentindo o que significa este ditado. Mas, com a saudade do Brasil, levo também no coração uma imensa alegria e a mais grata satisfação, por tudo aquilo que me foi dado ver, comungar e viver convosco, nestes dias da minha permanência entre vós. (…) E agora posso confiar-vos um desejo? Que as vossas portas que se abriram para mim com amor e confiança, permaneçam largamente abertas para Cristo. Será minha alegria plena”.

Ver matéria completa ...
Anunciada a criação da nova Conferência Eclesial da Amazônia

Em um comunicado oficial da Assembleia do Projeto de constituição da Conferência Eclesial da Amazônia, após dois dias de deliberações, o anúncio da criação do organismo. O comunicado, que tem data de 29 de junho de 2020, Solenidade de São Pedro e São Paulo, é assinado por Dom Miguel Cabrejos Vidarte, Presidente do CELAM e pelo cardeal Cláudio Hummes, OFM, Presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam). Dom Cláudio foi eleito presidente da Conferência Eclesial da Amazônia. Leia a íntegra do comunicado:

“A proposta dos Padres sinodais de ‘criar um organismo episcopal que promova a sinodalidade entre as Igrejas da região, que ajude a delinear o rosto amazônica desta Igreja e que continue a tarefa de encontrar novos caminhos para a missão evangelizadora’ (DF, 115), e o pedido do Papa Francisco, unido a seus quatro sonhos para este território e para toda a Igreja, em sua exortação pós-sinodal Querida Amazônia, que os pastores, os consagrados, as consagradas e os fiéis leigos da Amazônia se empenhem na sua aplicação (QA, 4) encontrou uma resposta na Assembleia do Projeto de Constituição da Conferência Eclesial da Amazônia, realizada virtualmente nos dias 26 e 29 de junho de 2020.

Esta Assembleia, realizada de forma sem precedentes através de canais digitais, foi uma novidade do Espírito, e faz parte deste Kairós esperançoso que continua o caminho sinodal para abrir novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral na região Pan-Amazônica.

É um sinal muito especial que o nascimento desta Conferência Eclesial da Amazônia acontece na festa de São Pedro e São Paulo, como gesto de sua vocação para afirmar a identidade da Igreja e de sua opção profética e em saída missionária que surge como um chamado inevitável para o tempo presente. Esta festividade de nossa Igreja é também um gesto de agradecimento pelo serviço do Santo Padre, por isso consideramos que o nascimento desta Conferência Eclesial como um signo de esperança juntamente com o Magistério do Papa Francisco, que acompanhou de perto todo este processo.

A composição desta Assembleia reflete a unidade na diversidade de nossa Igreja e seu chamado a uma sinodalidade cada vez maior; unidade expressada também pela inestimável presença e companhia permanente de importantes membros da Santa Sé que sentem a proximidade e relação direta com o Sínodo da Amazônia e com a missão da Igreja neste território, que sem dúvida continuará a partir de suas respectivas instâncias para auxiliar estes novos caminhos. A votação do nome, após um profundo discernimento nesta fase do processo: Conferência Eclesial da Amazônia, e da sua identidade, composição e modo geral de funcionamento (estatuto), foi aprovada por unanimidade, em ambos os casos, pelos membros votantes.

Da mesma forma, com muita esperança e alegria compartilhamos a eleição do Cardeal Claudio Hummes, OFM (Brasil) como seu presidente; de monsenhor David Martínez de Aguirre, OP (Peru), como seu vice-presidente; e, por outro lado, para o Comitê Executivo foi eleito monsenhor Eugenio Coter (Bolívia), como bispo representante das Conferências Episcopais do território amazônico, junto com as presidências dos órgãos eclesiais regionais que acompanharão este processo de forma orgânica: CELAM, REPAM, CLAR e CÁRITAS ALyC; junto com os 3 representantes dos povos originais designados: Sra. Patricia Gualinga do povo Kichwa-Sarayaku (Equador); Ir Laura Vicuña Pereira do povo Kariri (Brasil); e Sr. Delio Siticonatzi do povo Asháninka (Peru).

Nestes tempos difíceis e excepcionais para a humanidade, quando a pandemia do coronavírus afeta fortemente a região Pan-Amazônica, e as realidades de violência, exclusão e morte contra o bioma e os povos que o habitam, clamam por uma conversão integral urgente e iminente, a Conferência Eclesial da Amazônia quer ser uma boa notícia e uma resposta oportuna aos gritos dos pobres e da irmã mãe Terra, bem como um canal eficaz para assumir, a partir do território, muitas das propostas surgidas na Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, realizada em outubro de 2019, sendo também um vínculo que anime outras redes e iniciativas eclesiais e socioambientais em nível continental e internacional (cf. DF, 115)”.

 

Ver matéria completa ...
Papa: a exemplo dos mártires dos nossos dias, seguir sem medo diante dos desafios da vida

Neste domingo (21), oficialmente de verão no hemisfério norte, o Papa completou um mês de retorno à oração mariana do Angelus, feita diretamente da janela do Palácio Apostólico aos fiéis presentes na Praça São Pedro. Durante todo o período de lockdow na Itália, Francisco rezou de dentro da biblioteca.

Na sua alocução, que precedeu o Angelus, o Papa descreveu três situações concretas de adversidades enfrentadas pelos discípulos na proclamação do Reino de Deus, a partir de um trecho do Evangelho deste domingo (cf. Mt 10, 26-33). Através delas e fazendo eco ao convite de Jesus, Francisco exortou para não se ter medo, ser forte e confiante diante dos desafios da vida. De fato, "o medo é um dos inimigos mais feios da nossa vida cristã".

O anúncio sem medo diante da hostilidade

Em primeiro lugar, o Papa descreveu “a hostilidade daqueles que gostariam de silenciar a Palavra de Deus”. Jesus, até aquele momento, transmitiu a mensagem de salvação “com prudência, quase em segredo”, diferente do que deveriam fazer os Apóstolos:

“Eles deverão proclamá-la “à luz”, ou seja, abertamente, e anunciar “dos terraços”, isto é, publicamente, o seu Evangelho.”

A perseguição aos cristãos até hoje

A segunda dificuldade que os missionários de Cristo encontraram, lembrou o Papa, foi “a ameaça física contra eles, isto é, a perseguição direta do seu povo, chegando até a matar”. Uma profecia de Jesus, “dolorosa”, mas que “atesta a fidelidade das testemunhas” e se constata em todos os tempos:

“Quantos cristãos são perseguidos ainda hoje em todo o mundo! Sofrem pelo Evangelho com amor, são os mártires dos nossos dias. E podemos dizer com certeza que são mais mártires que nos primeiros tempos: muitos mártires somente por ser cristãos... A esses discípulos de ontem e de hoje que sofrem a perseguição, Jesus recomenda: «Não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma» (v. 28). Não devemos nos assustar por aqueles que procuram extinguir a força da evangelização através da arrogância e da violência. Nada, na verdade, podem fazer contra a alma, ou seja, contra a comunhão com Deus: essa, ninguém pode tirar dos discípulos, pois é um dom de Deus.”

A certeza do amor de Deus

O terceiro tipo de provação que os Apóstolos enfrentaram, recorda o Papa, é a sensação de que o próprio Deus os abandona, ao permanecer “distante e silencioso”. Mas não devemos ter medo, exorta Francisco, porque “o Pai cuida de nós” na hora da adversidade e do perigo:

“Também aqui nos exorta a não ter medo, porque, apesar de passar por essas e outras ciladas, a vida dos discípulos está firmemente nas mãos de Deus, que nos ama e nos guarda. [...] O que importa é a sinceridade, é a coragem do testemunho, do testemunho de fé: 'reconhecer Jesus perante os homens' e seguir adiante fazendo o bem.”

Ver matéria completa ...
Papa Francisco inclui três invocações marianas na Ladainha de Nossa Senhora

Papa Francisco incluiu três novas invocações à Ladainha de Nossa Senhora: “Mater misericordiae” (Mãe de Misericórdia), “Mater spei” (Mãe da esperança) e “Solacium migrantium” (Conforto dos migrantes).

A decisão do Pontífice foi anunciada neste sábado, 20, memória do Imaculado Coração de Maria, por meio de uma carta do Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Robert Sarah, e dos Secretário-geral desse dicastério, Dom Arhur Roche, dirigida aos presidentes das conferências episcopais de todo o mundo.

“Inúmeros são os títulos e invocações que a piedade cristã, ao longo dos séculos, reservou para a Virgem Maria, uma maneira privilegiada e segura de encontrar a Cristo”, destaca a carta.

A primeira invocação será feita após o título “Mater Ecclesiae” (Mãe da Igreja), a segunda após “Mater divinae gratiae” (Mãe da divina graça), a terceira após “Refugium peccatorum” (Refúgio dos pecadores).

A LADAINHA

Também conhecida como Ladainha ou Litania Lauretana, esse conjunto de invocações dirigidas a Nossa Senhora foi entoado solenemente pela primeira vez em 1531, em Loreto, na Itália. No entanto, sua origem remonta o século XIII. Em 1601, essa ladainha foi aprovada pelo Papa Clemente VIII.

Ao longo dos séculos, algumas invocações foram acrescentadas pelos pontífices, como, por exemplo: “Rainha concebida sem pecado original”, em 1854; “Mãe do bom conselho”, em 1903; “Rainha da paz”, em 1917; “Rainha assunta ao céu”, em 1950; “Mãe da Igreja”, em 1964 e, a mais recente, “Rainha da família”, incluída por São João Paulo II, em 1995.

Agora, com a inclusão feita pelo Papa Francisco, a Ladainha de Nossa Senhora, que até então tinha 51 títulos, passa a ter 54 invocações à Virgem Maria.

Ver matéria completa ...
Francisco: a São Luiz Gonzaga, padroeiro dos jovens, pedimos a graça de um coração novo

Ao final do Angelus deste domingo (20), durante as saudações finais, o Papa Francisco lembrou dos peregrinos, da Itália e de outros países, que começam a retornar à Praça São Pedro para rezar a oração mariana. De fato, como aconteceu em várias partes do mundo que determinaram o lockdown, várias igrejas e templos de oração foram fechados em respeito às medidas de segurança e prevenção ao coronavírus.

O exemplo de São Luiz Gonzaga

Entre os muitos peregrinos na Praça São Pedro, os jovens, a quem o Papa fez uma saudação especial:

“Hoje recordamos São Luiz Gonzaga, um rapaz cheio de amor a Deus e ao próximo; morreu muito jovem, aqui em Roma, porque cuidava dos doentes, vítimas da peste. À sua intercessão, confio os jovens de todo o mundo.”

Através de uma mensagem no Twitter, o Papa também quis dedicar um pensamento especial ao padroeiro da juventude, quando escreveu:

“Queridos jovens, pedimos a graça de um coração novo pela intercessão do santo padroeiro de vocês, São Luiz Gonzaga, jovem corajoso que nunca recuou no serviço aos outros, tanto que deu a vida para curar os doentes da epidemia da peste. Que o Senhor mude os nossos corações!”

Dia dos Pais na Argentina

O exemplo dos pais, para os jovens, também foi lembrado pelo Papa Francisco durante o Angelus. O Pontífice disse que, na Argentina, “na sua pátria”, este domingo (21) é de comemoração pelo Dia dos Pais:

“Asseguro a minha proximidade e oração a todos os pais. Todos sabemos que ser pai não é uma tarefa fácil, por isso rezemos por eles. Quero recordar, de maneira especial, os nossos pais que que continuam nos protegendo do céu.

Ver matéria completa ...
Bento XVI retornou ao Vaticano depois de breve estadia na Alemanha

O Papa Emérito Bento XVI voltou ao Vaticano nesta segunda-feira depois de visitar seu irmão Georg Ratzinger, de 96 anos, gravemente doente, em Ratisbona, Alemanha.

Bento XVI retornou a Roma, em 22 de junho às 12h59 (horário local). Chegou ao aeroporto romano de Ciampino em um avião militar italiano que voou de Munique. Ele realizou esta breve viagem com muita discrição para visitar seu irmão gravemente doente.

O Papa Emérito foi acompanhado por seu secretário, Dom Georg Ganswein; o vice-comandante da Gendarmaria Vaticana, Davide Giulietti; o médico Polisca e outros assistentes.

Na manhã desta segunda-feira, antes de viajar para a Itália, Bento XVI visitou seu irmão novamente em sua casa por volta das 9h.

A saúde de Mons. Georg Ratzinger "parece estável, embora a situação de sua saúde seja grave", disse ACI Stampa, agência em italiano do Grupo ACI).

Bento XVI foi despedido no aeroporto alemão pelo presidente da Baviera, Markus Söder, e pelo bispo de Ratisbona, Rudolf Voderholzer.

Visita à Alemanha

Ontem à tarde, o Papa Emérito visitou em forma privada a Catedral de Ratisbona e rezou na capela do santo padroeiro da diocese, São Wolfgang. De fato, a diocese de Ratisbona celebra seu santo padroeiro de 21 a 27 de junho, razão pela qual, durante a manhã, o Núncio Apostólico na Alemanha, Dom Nikola Eterovic, disse que, em nome do Papa Francisco, era “é uma honra cumprimentar o Papa Emérito na Alemanha novamente, mesmo nesta difícil situação familiar".

O Núncio em Berlim encontrou-se pessoalmente com o Papa Emérito e agradeceu "pelo respeito e amizade, que permitiram que o Papa Emérito se sinta em casa aqui em Baviera".

Por sua vez, Bento XVI celebrou a Eucaristia Dominical com seu irmão e passou o resto do dia com ele.

No sábado, o Papa Emérito também visitou o túmulo da família no cemitério de Ziegetsdorf, em Ratisbona, onde estão sepultados os restos mortais de seus pais e de sua irmã, Maria. Lá, Bento XVI rezou um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.

Da mesma forma, Bento XVI visitou sua antiga casa em Pentling, que atualmente é um museu, e permaneceu lá por 45 minutos "parando no jardim e voltando a ver os retratos da família".

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.

Ver matéria completa ...
Papa aos heróis da pandemia: o início de um milagre

Um sinal de esperança é a marca deixada pelo Papa Francisco em cada uma das pessoas que participaram da audiência no Vaticano no último sábado (20). Uma grande delegação formada por profissionais da saúde e sacerdotes que vieram da área mais afetada pelo coronavírus na Itália, a região norte do país.

O milagre em meio à pandemia

Médicos e enfermeiros, em particular, descritos pelo Pontífice como “artesãos silenciosos da cultura da proximidade e da ternura”, se sentiram abraçados pelas palavras tanto de reconhecimento pelo “serviço árduo e até heroico” feito durante a pandemia como de encorajamento para seguir adiante. Ao final da audiência, o Papa motivou esses “anjos” a canalizar a energia positiva para produzir frutos no futuro:

“E não se esqueçam que, com o trabalho de vocês, de todos vocês, médicos, paramédicos, voluntários, sacerdotes, religiosos, leigos, que fizeram isso, começaram um milagre. Tenham fé e, como dizia aquele alfaiate, um teólogo já falecido: "eu nunca vi Deus começar um milagre sem terminá-lo bem". [Manzoni, Promessi sposi, cap. 24°]. Que termine bem esse milagre que vocês começaram!”

A enfermeira do Hospital Papa João XXIII, da cidade de Bergamo, Barbara Valle, presente na audiência, comentou as palavras de Francisco: “palavras muito bonitas, inclusive usar a palavra milagre é realmente uma coisa muito forte. Esperamos que, olhando para o futuro, mantenhamos essa experiência como algo que nos fortaleceu mesmo se devemos continuar mantendo os comportamentos que temos que manter. Mas, deixando para trás a provação, com todo o sofrimento que mesmo assim permanece no coração que, depois, com o tempo, vamos reelaborando em sentido positivo, nos deu uma grande força”.

As enfermeiras são mães

A enfermeira foi cumprimentada pelo Papa ao final da audiência, com palavras de “ternura e esperança”, depois da bênção e da foto em grupo: “devemos ser obedientes às disposições”, disse Francisco, em referência às medidas de segurança por causa da pandemia. De fato, além do distanciamento social durante todo o encontro, o Papa é quem foi ao encontro dos presentes para saudá-los, um a um, “com gentileza, como se deve fazer, como as autoridades disseram para fazer”, ressaltou o Pontífice.

“Quando ele se aproximou, disse palavras muito bonitas. Eu disse que era uma enfermeira, junto com as outras colegas, e ele nos disse que as enfermeiras são como mães que expressam ternura. Depois, me contou uma anedota pessoal: disse que devia a sua vida à uma enfermeira que lhe tinha dado uma dose a mais daquela recomendada pelo médico.”

Gestos de proximidade

O médico do Pronto-Socorro do Hospital Papa João XXIII, de Bergamo, Massimiliano De Vecchi, também presente na audiência, falou da situação atual sob controle em relação aos meses anteriores, apesar de ter vivido uma tragédia pessoal. De Vecchi chegou a contar ao Pontífice que perdeu o pai, vítima da Covid-19: “percebi que o Papa, naquele momento, rezou por ele. Foi um gesto de proximidade que me marcou muito”, disse o médico.

“Das suas palavras me impactaram mais quando enfatizou as boas coisas vividas e emersas durante essa tragédia. O Papa nos recordou que, em meio a tanta dor, a tanto sofrimento, existiram muitos gestos de proximidade, de solidariedade e que não devemos nos esquecer disso, mas guardar tudo para o futuro.”

Ver matéria completa ...
Eucaristia é união com Cristo e comunhão com o próximo, diz Papa

Após celebrar a missa de Corpus Christi, neste domingo, 14, o Papa Francisco rezou da janela de seu escritório a oração mariana do Angelus com os fiéis reunidos na Praça São Pedro. Em sua alocução, falou de dois efeitos da celebração eucarística: o efeito místico e o efeito comunitário.O efeito místico ou espiritual diz respeito à união com Cristo, que no pão e no vinho se oferece para a salvação de todos.

“Jesus está presente no sacramento da Eucaristia para ser o nosso nutrimento, para ser assimilado e tornar-se força renovadora, mas isso requer o nosso consenso, a nossa disponibilidade para nos deixar transformar; do contrário, as celebrações eucarísticas se reduzem a ritos vazios e formais”, advertiu o Papa. Muitos vão à missa como ato social, disse o Pontífice, mas o mistério é outra coisa: “é Jesus presente, que vem para nos nutrir”.

O segundo efeito é comunitário, isto é, da comunhão recíproca entre os que participam da Eucaristia, a ponto de se tornar um só corpo. “Não se pode participar da Eucaristia sem se empenhar numa sincera fraternidade recíproca”. Mas sabendo que as forças humanas não são suficientes, pois entre os discípulos haverá sempre a tentação da rivalidade, o Senhor nos deixou o Sacramento da sua Presença real, concreta e permanente, comentou.

Segundo o Santo Padre, este é o dúplice fruto da Eucaristia: a união com Cristo e a comunhão entre os que se nutrem d’Ele. Citando a Constituição conciliar Lumen gentium, Francisco recordou que a Igreja faz a Eucaristia, mas é mais fundamental que a Eucaristia faz a Igreja e lhe permite ser a sua missão antes mesmo de realizá-la. “Este é o mistério da Eucaristia: receber Jesus para que nos transforme interiormente, para que faça a unidade entre nós, não a divisão. (…) Que Nossa Senhora nos ajude a acolher sempre com estupor e gratidão o grande dom que Jesus nos fez, deixando-nos o Sacramento do seu Corpo e do seu Sangue”, foi a oração final do Papa.

Ver matéria completa ...
Com Jesus, podemos imunizar-nos contra a tristeza, afirma Papa

“A Eucaristia não é simples lembrança; é um fato: é a Páscoa do Senhor, que ressuscita para nós”. No dia em que a Itália celebra a Solenidade de Corpus Christi, o Papa Francisco presidiu a missa na Basílica de São Pedro com a participação de cerca de 50 fiéis. A homilia do Pontífice foi inspirada no seguinte versículo extraído do Deuteronômio: “Recorda-te de todo esse caminho que o Senhor, teu Deus, te fez percorrer» (Dt 8, 2)”. O Pontífice falou sobre a memória.

Para Francisco, é essencial recordar o bem recebido: “Se o não conservamos na memória, tornamo-nos estranhos a nós mesmos, meros ‘passantes’ pela existência. Pelo contrário, fazer memória é amarrar-se aos laços mais fortes, sentir-se parte duma história transmitida de geração em geração”. Nossa memória é frágil, recordou o Santo Padre, por isso Deus deixou um memorial. Não deixou apenas palavras, mas deu um Alimento: a Eucaristia não é simples lembrança; é um fato: é a Páscoa do Senhor, que ressuscita para todos. “Fazei isto em memória de Mim.”

A Eucaristia cura a memória ferida e órfã. Introduz na memória um amor maior: o d’Ele. Cura também aquilo que o Pontífice chamou de “memória negativa”, isto é, pensar de que não se serve para nada, que só se comete erros. “O Senhor sabe que o mal e os pecados não são a nossa identidade; são doenças, infeções. E Ele vem curá-las com a Eucaristia, que contém os anticorpos para a nossa memória doente de negativismo. Com Jesus, podemos imunizar-nos contra a tristeza”.

Com Jesus, os problemas cotidianos não desaparecem, mas o seu peso deixa de esmagar, porque, na profundidade, Ele encoraja com amor. “Aqui está a força da Eucaristia, que nos transforma em portadores de Deus”. Justamente por isso, ao sair da missa, o Papa afirma que não se pode continuar a reclamar, a criticar e a se lamentar, pois a alegria do Senhor muda a vida.

Enfim, a Eucaristia cura a memória fechada. Se, no início, somos medrosos e desconfiados, aos poucos nos tornamos cínicos e indiferentes, agindo com insensibilidade e arrogância, alertou o Papa. “Só o amor cura o medo pela raiz e liberta dos fechamentos que aprisionam. É assim que faz Jesus, vindo ter conosco com mansidão, na fragilidade desarmante da Hóstia; assim faz Jesus, Pão partido para romper a carapaça dos nossos egoísmos”.

Eis o convite a não desperdiçar a vida, correndo atrás de mil coisas inúteis que criam dependências e deixam o vazio dentro, afirmou Francisco. Segundo o Santo Padre, homens e mulheres são as mãos de Deus para saciar o próximo e juntos devem formar correntes de solidariedade. “Agora, é urgente cuidar de quem tem fome de alimento e dignidade, de quem não trabalha e tem dificuldade em seguir para diante. E fazê-lo de modo concreto, como concreto é o Pão que Jesus nos dá.”

Por fim, uma recomendação: “Queridos irmãos e irmãs, continuemos a celebrar o Memorial que cura a nossa memória: a Missa. É o tesouro que deve ocupar o primeiro lugar na Igreja e na vida. E, ao mesmo tempo, redescubramos a adoração, que continua em nós a ação da Missa”. A cerimônia se concluiu com a exposição do Santíssimo, com o qual o Pontífice concedeu a sua bênção.

Ver matéria completa ...
Papa: sociedade precisa dar lugar aos idosos, sem eles não há futuro

“A pandemia da #COVID19 mostrou que nossa sociedade não está organizada o suficiente para dar lugar aos idosos, com justo respeito à sua dignidade e fragilidade. Onde não há cuidado com os idosos não há futuro para os jovens”. Com essa mensagem no Twitter, o Papa Francisco recorda, nesta segunda-feira, 15, o Dia Mundial de Conscientização da Violência à Pessoa Idosa.

Este ano, as Nações Unidas destacam a necessidade de proteger os idosos durante e depois da pandemia da Covid-19. Embora todas as faixas etárias corram risco, os idosos têm um risco maior de mortalidade e doenças graves após a infecção. Entre as pessoas acima de 80 anos, a taxa de mortalidade é cinco vezes maior.

Pandemia

Estima-se que 66% das pessoas com 70 anos ou mais tenham, pelo menos, uma condição de saúde subjacente, colocando-as em maior risco. Os idosos também podem ser discriminados quando médicos e hospitais decidem quem tem acesso a tratamentos e medicamentos. Além disso, antes da pandemia, metade da população idosa em alguns países em desenvolvimento já não tinha acesso a serviços essenciais de saúde. A crise pode levar a uma redução de serviços críticos, aumentando ainda mais os perigos.

Em maio, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lançou um relatório detalhando o impacto da Covid-19 em idosos. Na altura, ele afirmou que “nenhuma pessoa, jovem ou velha, é dispensável”. Para o chefe da organização, “os idosos têm os mesmos direitos à vida e à saúde que todos os outros”. Ele disse ainda que “decisões difíceis sobre cuidados médicos devem respeitar os direitos humanos e a dignidade de todos.”

Papa cumprimenta pessoa idosa em uma de suas Audiências Gerais no Vaticano /Foto: Daniel Ibáñez – CNA

Crescimento

Entre 2019 e 2030, o número de pessoas com 60 anos ou mais deve crescer 38%, passando de 1 bilhão para 1,4 bilhão. Nessa altura, o número de idosos irá superar o número de jovens em todo o mundo. Esse aumento será maior e mais rápido nos países em desenvolvimento. Por tudo isso, a ONU afirma que “é preciso prestar mais atenção aos desafios específicos que afetam os idosos, inclusive no campo dos direitos humanos.”

Abusos

O abuso de idosos é um problema que existe tanto nos países em desenvolvimento como nos países desenvolvidos, mas, muitas vezes, não é reportado. Existem poucas estatísticas sobre o tema, apenas em alguns países de alta renda, mas entre 1% a 10% dos idosos nessas regiões é vítima de abusos.

Embora a extensão do problema seja desconhecida, a ONU afirma que “seu significado social e moral é óbvio” e “exige uma resposta global multifacetada, focada na proteção dos direitos dos idosos.” No Brasil, a Pastoral da Pessoa Idosa trabalha para garantir o respeito e a dignidade dos idosos, identificando os possíveis sinais de violência e realizando os devidos encaminhamentos.

Ver matéria completa ...
Assim nasceu a tradição do pão de Santo Antônio

 O Reitor da Basílica de Santo António de Pádua, na Itália, Pe. Oliviero Svanera, explicou a origem do tradicional pão de Santo Antônio que se entrega em muitos lugares do mundo em 13 de junho, dia no qual a Igreja celebra o grande santo.

Em um diálogo com ACI Stampa - agência em italiano do Grupo ACI - Pe. Svanera assinalou que "o pão de Santo Antônio é sinônimo de caridade. Esta tradição nasceu a partir de um dos milagres do santo, cujo protagonista foi Tomasito, um menino de 20 meses que se afogou em um poço de água".

O reitor contou que "a mãe desesperada invocou a ajuda do santo e fez uma promessa: se conseguisse esta graça, ia dar aos pobres uma quantidade de pão igual ao peso do menino. E milagrosamente o pequeno voltou a viver”.

Este milagre, continuou o sacerdote, "deu origem a duas obras fieis ao espírito de Santo Antônio: A primeira é a Obra do Pão dos Pobres, organização antoniana em Pádua responsável por levar alimentos e materiais básicos e assistência às pessoas necessitadas".

O segundo trabalho é a "Caritas Antoniana Onlus, organismo de caridade dos frades do santo, que em 2016 apoiou 124 projetos de desenvolvimento em 40 países do mundo, com um total de 2,6 milhões de euros".

Além disso, o Reitor destacou que a devoção “do ‘Santo do Povo’ é universal, talvez porque ele quis considerar o mundo inteiro como sua casa. Nasceu em Portugal, foi ao Marrocos para levar a fé, chegou à Sicília depois de um naufrágio (...) se uniu aos frades de São Francisco que o enviaram à França. Quando voltou para a Itália, se estabeleceu em Pádua, onde morreu em 1231".

"Dizem que falava uma língua com milhares de sotaques, mas todos compreendiam. E ele era próximo a todos: pobres, pessoas com dificuldade, doentes. Neste ser irmão de todos, também está a sua universalidade", afirmou o Pe. Svanera.

O reitor do Santuário destacou o exemplo do santo para viver a humildade e a necessidade de superar a "tentação do poder, o orgulho e, como diria o Papa Francisco, o mundanismo".

Ver matéria completa ...
A Igreja Católica não faz barganhas, afirma Nota de Esclarecimento

Em Nota de Esclarecimento, emitida na noite deste sábado, 6 de junho, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio de sua Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação, juntamente com a SIGNIS Brasil e a Rede Católica de Rádio (RCR), associações de caráter nacional que reúnem as TVs e rádios de inspiração católica do Brasil, informam que “não organizaram e não tiveram qualquer envolvimento com a reunião entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, representantes de algumas emissoras de TV de inspiração católica e alguns parlamentares” como informou o jornal O Estado de São Paulo. As organizações informam também que “nem ao menos foram informadas sobre tal encontro”.

O documento esclarece ainda que “as emissoras intituladas ‘de inspiração católica’ possuem naturezas diferentes. Algumas são geridas por associações e organizações religiosas, outra por grupo empresarial particular, enquanto outras estão juridicamente vinculadas a dioceses no Brasil. Elas seguem seus próprios estatutos e princípios editoriais. Contudo, nenhuma delas e nenhum de seus membros representa a Igreja Católica, nem fala em seu nome e nem da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, que tem feito todo o esforço, para que todas as emissoras assumam claramente as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil”.

Sobre a reunião, as organizações que assinam conjuntamente a Nota de Esclarecimento, afirmam ter recebido com estranheza e indignação a notícia sobre a oferta de apoio ao governo por parte de emissoras de TV em troca de verbas e solução de problemas afeitos à comunicação. “A Igreja Católica não faz barganhas. Ela estabelece relações institucionais com agentes públicos e os poderes constituídos pautada pelos valores do Evangelho e nos valores democráticos, republicanos, éticos e morais”, diz o texto.

Via CNBB

Clique aqui para ver mais Matérias