Notícias e Artigos Litúrgicos
Ver matéria completa ...
Dez Mandamentos do Dizimista

1º Sou dizimista porque amo a Deus e amo o meu próximo. Partilho com alegria, conforme manda meu coração, seguindo as palavras de São Paulo (2 Cor 9-7).

2º Sou dizimista porque reconheço que tudo recebo de Deus. " O Senhor é meu pastor nada me faltará"(Sl 23). "que tens tu que não tenhas recebido?" (São Paulo em 1 Cor 4,7).

3º Sou dizimista porque minha gratidão a Deus me leva a devolver um pouco do muito que recebo. “Não foram dez os curados? Onde estão os outros nove? Só um voltou para dar glória a Deus? (Lc 17, 11-19).

4º Sou dizimista porque aceito como palavra de Deus o que leio na Bíblia, e sei que dízimo é fonte de bênçãos. "Trazei o dízimo integral ao templo para que haja alimento em minha casa" (MI 3,10) "Esta pobre viúva deu mais que todos os outros"(Lc 21,1-4)

5º Sou dizimista porque creio, e confio, em Deus Pai; minha contribuição é prova de fé e de confiança. "Olhai as aves do céu, olhai os lírios do campo!" "Muito mais o Pai cuidará de vós" (Mt 6,25-31)

6º Sou dizimista porque o partilhar mata o meu egoísmo. "Insensato, hoje morrerás. De que te valeu ter acumulado tantos Tesouros?"(Lc 12,16-21). "O amor cobre uma multidão de pecados" (1 Pd 4,8)

7º Sou dizimista porque creio na vida cristã em comunidade. "Onde dois ou mais se juntarem em meu nome, eu estarei no meio deles" (Mt 18,20). "Vocês são todos irmãos"

8º Sou dizimista porque Deus, o único pai rico, não quer ninguém passando necessidade. “Tudo o que fizeste a um dos meus irmãos mais pequenos, a mim o fizeste” (Mt 25, 40).

9º Sou dizimista porque gosto de viver em liberdade e alegria, celebrando desde já a vida plena. "Vou preparar-vos um lugar" (Jo 14,1-5). "Vinde, benditos de meu Pai..."(Mt 25,34)".

10º Sou dizimista porque quero ver minha comunidade crescer e minha igreja testemunhar o Evangelho no mundo inteiro. "Ide por toda a terra, pregai a Boa Nova. Batizai em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28,19-20; Mc16,15)

 

“Ser dizimista consciente, uma graça de Deus”.

Cada dizimista, livremente, pode contribuir com o dízimo da maneira em achar melhor:

  1. Lacrando o envelope e entregando ao coordenador do setor;
  2. Entregando diretamente no escritório paroquial;
  3. Depositando diretamente nos cofres que estão na igreja;
  4. Entregando, antes ou depois de cada missa na Igreja com a Pastoral do Dízimo;
  5. Depósito Bancário:

Diocese de Votuporanga/Catedral N. Sra. Aparecida

Caixa Econômica Federal: Ag. 0364 – Op. 003 – C/C 002175-4

  1. Transferência Bancária:

Diocese de Votuporanga/Catedral N. Sra. Aparecida

CNPJ 26.803.548/0002-44

Caixa Econômica Federal

Banco 104 – Ag. 0364 – Op. 003 - C/C 002175-4

 

Ver matéria completa ...
PACTO PELA VIDA E PELO BRASIL

Cidadãos brasileiros, mulheres e homens de boa-vontade, mais uma vez, conclamamos a todos:
1. O Brasil vive uma grave crise – sanitária, econômica, social e política -- exigindo de todos, especialmente de governantes e representantes do povo, o exercício de uma cidadania guiada pelos princípios da solidariedade e da dignidade humana, assentada no diálogo maduro, corresponsável, na busca de soluções conjuntas para o bem comum, particularmente dos mais pobres e vulneráveis. O momento que estamos enfrentando clama pela união de toda a sociedade brasileira, para a qual nos dirigimos aqui. O desafio é imenso: a humanidade está sendo colocada à prova. A vida humana está em risco.
2. A pandemia do novo coronavírus se espalha pelo Brasil exigindo a disciplina do isolamento social, com a superação de medos e incertezas. O isolamento se impõe como único meio de desacelerar a transmissão do vírus e seu contágio, preservando a capacidade de ação dos sistemas de saúde e dando tempo para a implementação de políticas públicas de proteção social. Devemos, pois, repudiar discursos que desacreditem a eficácia dessa estratégia, colocando em risco a saúde e sobrevivência do povo brasileiro. Em contrapartida, devemos apoiar e seguir as orientações dos organismos nacionais de saúde, como o Ministério da Saúde, e dos internacionais, a começar pela Organização Mundial de Saúde - OMS.
3. Os países democráticos atingidos pelo COVID-19 estão construindo agendas e políticas para combatê-lo de maneira própria, segundo suas características, mas, todos, sem exceção, na colaboração estreita entre sociedade civil e classe política, entre agentes econômicos, pesquisadores e empreendedores, convencidos de que a conjugação de crise epidemiológica e crise econômica assume tal magnitude, que só um amplo diálogo pode levar à sua resolução. É hora de entrar em cena no Brasil o coro dos lúcidos, fazendo valer a opção por escolhas científicas, políticas e modelos sociais que coloquem o mundo e a nossa sociedade em um tempo, de fato, novo.
4. Nossa sociedade civil espera, e tem o direito de exigir, que o Governo Federal seja promotor desse diálogo, presidindo o processo de grandes e urgentes mudanças em harmonia com os poderes da República, ultrapassando a insensatez das provocações e dos personalismos, para se ater aos princípios e aos valores sacramentados na Constituição de 1988. Cabe lembrar que a árdua tarefa de combate à pandemia é dever de todos, com a participação de todos -- no caso do Governo Federal, em articulada cooperação com os governos dos Estados e Municípios e em conexão estreita com as nossas instituições.
5. A hora é grave e clama por liderança ética, arrojada, humanística, que ecoe um pacto firmado por toda a sociedade, como compromisso e bússola para a superação da crise atual. Como em outras pandemias, sabemos que a atual só agravará o quadro de exclusão social no Brasil. Associada às precárias condições de saneamento, moradia, renda e acesso a serviços públicos, a histórica desigualdade em nosso país torna a pandemia do novo coronavírus ainda mais cruel para brasileiros submetidos a privações. Por isso, hoje nos unimos para conclamar que todos os esforços, públicos e privados, sejam envidados para que ninguém seja deixado para trás nesta difícil travessia.
6. Não é justo jogar o ônus da imensa crise nos ombros dos mais pobres e dos trabalhadores. O princípio da dignidade humana impõe a todos e, sobretudo, ao Estado, o dever de dar absoluta prioridade às populações de rua, aos moradores de comunidades carentes, aos idosos, aos povos indígenas, à população prisional e aos demais grupos em situação de vulnerabilidade. Acrescente-se ao princípio da dignidade humana, o princípio da solidariedade – só assim iremos na direção de uma sociedade mais justa, sustentável e fraterna.
7. É fundamental que o Estado Brasileiro adote políticas claras para garantir a saúde do povo, bem como a saúde de uma economia que se volte para o desenvolvimento integral, preservando emprego, renda e trabalho. Em tempos de calamidade pública, tornam-se inadiáveis a atualização e ampliação do Bolsa Família; a rápida distribuição dos benefícios da Renda Básica Emergencial, já aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Executivo, bem como a sua extensão pelo tempo que for necessário para a superação dos riscos de saúde e sobrevivência da população mais pobre; a absorção de parte dos salários do setor produtivo pelo Estado; a ampliação de estímulos fiscais para doações filantrópicas ou assistenciais; a criação do imposto sobre grandes fortunas, previsto na Constituição Federal e em análise no Congresso Nacional; a liberação antecipada dos precatórios; a capitalização de pequenas e médias empresas; o estímulo à inovação; o remanejamento de verbas públicas para a saúde e o controle epidemiológico; o aporte de recursos emergenciais para o setor de ciência & tecnologia no enfrentamento da pandemia; e o incremento geral da economia. São um conjunto de soluções assertivas para salvaguardar a vida, sem paralisar a economia.
8. Ressalte-se aqui a importância do Sistema Único de Saúde - SUS, mais uma vez confirmada, com seus milhares de agentes arriscando as próprias vidas na linha de frente do combate à pandemia. É necessário e inadiável um aumento significativo do orçamento para o setor: o SUS é o instrumento que temos para garantir acesso universal a ações e serviços para recuperação, proteção e promoção da saúde.
9. Em face da expansão da pandemia e de suas consequências, é imperioso que a condução da coisa pública seja pautada pela mais absoluta transparência, apoiada na melhor ciência e condicionada pelos princípios fundamentais da dignidade humana e da proteção da vida. Reconhecemos que a saúde das pessoas e a capacidade produtiva do país são fundamentais para o bem-estar de todos. Mas propugnamos, uma vez mais, a primazia do trabalho sobre o capital, do humano sobre o financeiro, da solidariedade sobre a competição.
10. É urgente a formação deste Pacto pela Vida e pelo Brasil. Que ele seja abraçado por toda a sociedade brasileira em sua diversidade, sua criatividade e sua potência vital. E que ele fortaleça a nossa democracia, mantendo-nos irredutivelmente unidos. Não deixaremos que nos roubem a esperança de um futuro melhor.
Dia Mundial da Saúde, 7 de abril de 2020
Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB
Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB
José Carlos Dias, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns - Comissão Arns
Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências - ABC
Paulo Jeronimo de Sousa, presidente da Associação Brasileira de Imprensa - ABI
Ildeu de Castro Moreira, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC

Ver matéria completa ...
Assumindo e concretizando o pacto pela vida e pelo brasil

“Dialogar, discutir e indicar, nestes próximos dias, em vista da urgência do momento atual, o que nos cabe como tarefa para efetivar o Pacto pela Vida e pelo Brasil. Partindo do que já vem sendo realizado, definir o que mais urgentemente devemos promover em nível nacional, regional e local”.

Ver matéria completa ...
Presidente do Regional Sul 1 incentiva ações para o Grito dos Excluídos e faz um convite à reflexão sobre o “Pacto pela vida e pelo Brasil”

Em sintonia com 26ª edição do Grito dos Excluídos, que acontecerá no próximo dia 7 de setembro (segunda-feira), com o tema “Vida em Primeiro Lugar”, e lema “Basta de miséria, preconceito e repressão; queremos terra, trabalho, teto e participação”, o presidente do Regional Sul 1 da CNBB, Dom Pedro Luiz Stringhini, por meio de vídeo, convidou a todos a participar desse ato. Dom Pedro Luiz convidou também o povo a tomar conhecimento e divulgar o texto do “Pacto Pela Vida e Pelo Brasil”, iniciativa da CNBB, juntamente com outras organizações: Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Comissão Arns de Direitos Humanos, a Academia Brasileira de Ciências (ABC), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

 

Ver matéria completa ...
Mensagem do presidente da CNBB para o Dia da Pátria

Em um vídeo, que gravou especialmente como uma mensagem para o Dia da Pátria, celebrado no Brasil no 7 de Setembro, o arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, reforçou a importância da democracia e da participação cidadã como caminhos que permitem que as diferenças se articulem e se tornem riqueza na construção do presente e também do futuro do Brasil como resposta aos desafios colocados pelo contexto do novo Coronavírus.

 

Ver matéria completa ...
Congresso on-line aborda humanização e Pastoral da Saúde

Especializar-se, aprender, estudar a vida humana sendo o mais humano possível. Essas são algumas das motivações do 39º Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde, que será realizado no próximo final de semana, 5 e 6 de setembro, e pela primeira vez de forma on-line.

O tema do evento, organizado pelo Instituto Camiliano de Pastoral da Saúde, está vinculado à Campanha da Fraternidade deste ano: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele – Espiritualidade e Cuidado”, com o intuito de focalizar o anseio do cuidado, da compaixão e do ardor apaixonado pelo próximo, explica o padre Renato Prado, um dos organizadores desta edição.

Segundo o sacerdote, este ano foi atípico e acelerou a necessidade de usar a plataforma virtual para a oferta de formação e discussão de temas relevantes para o desenvolvimento científico e espiritual dos integrantes da Pastoral da Saúde em todo o Brasil.

“A organização deste ano contou com muita oração, ajuda de pessoas que compartilham do objetivo e da sede de compartilhar o conhecimento. A articulação dos temas buscou três pontos fundamentais: Conteúdo – Dinamicidade – Aplicabilidade”, comenta.

O congresso

Todas as pessoas que tiverem interesse podem se inscrever no congresso pelo site (endereço ao final da matéria). Serão dois dias de atividades, realizadas exclusivamente de forma on-line, com transmissão pelo facebook e youtube, com possibilidade de interação entre palestrante e público. “Vamos ter o suporte técnico do centro Universitário São Camilo para garantir a qualidade da transmissão. O layout será o apresentador e o palestrante, contando também com perguntas do público”.

A programação traz diversos temas, desde a questão da ansiedade até o trabalho pastoral nessa área da Saúde nesse tempo de pandemia. Segundo padre Renato, os temas foram adaptados às necessidades do tempo presente. A palestra sobre ansiedade, por exemplo, abordará diversas situações, tanto o lado psíquico e afetivo das pessoas, quanto a questão da obesidade, já que muitas pessoas, por causa da restrição de circulação, acabaram ganhando peso.

Outro tema em foco será o envelhecimento, abordando especificamente a “síndrome do ninho vazio” e suas derivações. “Neste tempo de pandemia, houve um aumento exponencial em casos de pessoas em grupo de risco que ficaram muito isoladas”, comenta padre Renato.

Pastoral da Saúde em tempos de pandemia

pandemia trouxe consigo uma grande necessidade de adaptação a essa nova realidade de isolamento social e hábitos necessários em termos de segurança sanitária. Com o trabalho da Pastoral da Saúde não foi diferente.

Padre Renato conta que há três frontes principais que norteiam esse trabalho: a comunitária, a solidária e a político-institucional. A aplicação de boa parte dessas dimensões ocorre com agentes em campo, mas, com a pandemia, muitos deles não puderam sair ou visitar as pessoas.

“A realidade de muitos de nossos agentes segue a ideia do “Curador ferido” podemos explicitar com a figura do Pelicano, que mesmo ferido não deixa de dar parte do seu próprio coração para alimentar os mais frágeis. Sinteticamente falando sobre esse símbolo Cristão fortíssimo, na Pastoral da Saúde muitos dos nossos já passaram, passam cuidando dos outros mesmo acometido com sofrimentos e isso descrevo nas mais amplas esferas sociais, psicológicas e espirituais. São Camilo é um exemplo disso em sua história”.

Todo esse empenho dos agentes reflete aquilo que está no cerne do trabalho dessa pastoral: o cuidado com o próximo: “A pastoral da Saúde tem sua vocação em cuidar do ser humano como humano e não como estereótipo ou patologia, buscamos encontrar Cristo na pessoa do enfermo”.

Para se inscrever no congresso, basta acessar este endereço:
https://www.sympla.com.br/xxxix-congresso-brasileiro-de-humanizacao-e-pastoral-da-saude__934216)

Ver matéria completa ...
Saudade: 9 anos de falecimento do Padre Edemur

No próximo dia 07 de Setembro, completam-se 7 anos que o saudoso Padre Edemur foi morar com o Pai. As belas lembranças do amado sacerdote continuam em nossa mente e a saudade parece que aumenta a cada dia. 

No dia 07, façamos alguns momentos de oração, agradecendo a Deus por tudo o que o padre Edemur fez nos quase 25 anos de sacerdócio. Lembremo-nos dos momentos felizes vividos com o saudoso padre e amigo e peçamos que ele continue intercedendo a Deus por nós. Gratidão também a sua família, que nos deu o Padre Edemur como nosso pastor. Padre Edemur administrou nossa paróquia por 20 anos, sendo o padre que ficou por mais tempo como pároco.

Padre Edemur faleceu no dia 07 de setembro de 2011 na Santa Casa de Votuporanga, onde estava internado desde o dia 29 de agosto. Ele sofreu um choque cardiogênico, infarto agudo do miocárdio, insuficiência renal aguda e falência múltipla de órgãos, falecendo às 10h40min. 

Natural de Cosmorama, Padre Edemur nasceu no dia 25 de fevereiro de 1958. Filho de Adelino José Alves e Clementina Lucas Alves, sentiu sua vocação na juventude; entrando para o Seminário em 1978. Antes de ser ordenado, trabalhou pastoralmente na Igreja São Benedito, em São José do Rio Preto. 

Foi ordenado presbítero no dia 08 de dezembro de 1986, aos 28 anos, na Sé Catedral de São José, em Rio Preto, pela imposição das mãos de dom José de Aquino Pereira, bispo diocesano de Rio Preto naquele ano. Após a ordenação, foi pároco das paróquias São Bento (Votuporanga) e São João Batista (Álvares Florence). Padre Edemur assumiu a paróquia Nossa Senhora Aparecida em janeiro de 1991, pastoreando a paróquia central da cidade por 20 anos e sempre apoiando os movimentos, pastorais e serviços. Preocupado com os mais necessitados, juntamente com alguns paroquianos, criou a Casa Abrigo Irmãos de Emaús, entidade que recebe diariamente de 35 a 40 pessoas, sendo a maioria ex-moradores de rua. 

Grande devoto de Nossa Senhora, em todas as celebrações consagrava os fiéis à santíssima mãe de Jesus. Todos os anos realizava uma carreata pelas ruas de Votuporanga com a imagem da Padroeira do Brasil, abençoando todo o povo votuporanguense.

Ver matéria completa ...
Setembro, mês da Bíblia

No Brasil já é uma tradição que Setembro seja lembrado como o “Mês da Bíblia”. Setembro foi escolhido pelos Bispos do Brasil como o Mês da Bíblia em razão da festa de São Jerônimo, celebrada no dia 30.

São Jerônimo, que viveu entre 340 e 420, foi o secretário do Papa Dâmaso e por ele encarregado de revisar a tradução latina da Sagrada Escritura. Essa versão latina feita por esse santo recebeu o nome de Vulgata, que, em latim, significa “popular” e o seu trabalho é referência nas traduções da Bíblia até os nossos dias.

Ao celebrar o Mês da Bíblia, a Igreja nos convida a conhecer mais a fundo a Palavra de Deus, a amá-la cada vez mais e a fazer dela, a cada dia, uma leitura meditada e rezada. É essencial ao discípulo missionário o contato com a Palavra de Deus para ficar solidamente firmado em Cristo e poder testemunhá-Lo no mundo presente, tão necessitado de Sua presença. “Desconhecer a Escritura é desconhecer Jesus Cristo e renunciar a anunciá-lo. Se queremos ser discípulos e missionários de Jesus Cristo  é indispensável o conhecimento profundo e vivencial da Palavra de Deus. É preciso fundamentar nosso compromisso missionário e toda a nossa vida cristã na rocha da Palavra de Deus” (DA 247).

A Bíblia contém tudo aquilo que Deus quis nos comunicar em relação à nossa salvação. Jesus é o centro e o coração da Sagrada Escritura. Em Jesus se cumprem todas as promessas feitas no Antigo Testamento para o povo de Deus.

Ao lê-la, não devemos nos esquecer de que Cristo é o ápice da revelação de Deus. Ele é a Palavra viva de Deus. Todas  as palavras da Sagrada Escritura têm seu sentido definitivo n’Ele, porque é no mistério de Sua Morte  e Ressurreição que o plano de Deus Pai para a nossa salvação se cumpre plenamente.

Ver matéria completa ...
Caritas Internationalis: rezar e agir para o bem da Casa Comum

"A pandemia da Covid-19 deve representar um chamado a respeitar a casa comum": é o que escreve a Cáritas Internationalis em uma nota, por ocasião do Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação em 1º de setembro. Uma recorrência que "representa uma ocasião importante para celebrar a riqueza da fé cristã que se expressa também na salvaguarda de nossa Casa comum" e para "renovar nosso coração e nossa mente", "renovando nosso relacionamento com Deus".

Refletindo sobre os difíceis meses vividos no mundo inteiro devido à pandemia do coronavírus, a Caritas Internationalis observa como isso nos permitiu tomar consciência de uma humanidade comum e de todas as interconexões presentes entre as dimensões "política, econômica, social, espiritual e cultural". “Nos demos conta", continua o órgão caritativo, "como os sistemas sociais injustos criaram um terreno fértil para a propagação das doenças, como nossas vidas são frágeis e como éramos vulneráveis mesmo antes da propagação deste vírus".

“Pandemia do amor”

Por isso o desejo de "novas formas de solidariedade" para responder à emergência sanitária com "a pandemia do amor", como afirmou o presidente da Caritas Internationalis, o Cardeal Luis Antonio Tagle. "Como cristãos - continua a nota - nossa relação com o meio ambiente não pode ser diferenciada de nossa relação com os outros e com Deus" e por esta razão o vírus Covid-19 deve ser "um chamado a respeitar nossa casa comum". Infelizmente, a realidade é bem diferente: o órgão caritativo lembra, de fato, que "as comunidades locais são as primeiras vítimas do fracasso em salvaguardar a Criação e por isso hoje nos pedem ações direcionadas e imediatas, especialmente em relação à segurança alimentar, ao acesso à água e à proteção do ecossistema".

Desenvolvimento Humano Integral

O desenvolvimento humano integral só pode ser promovido através da "sustentabilidade dos sistemas ecológicos, econômicos, sociais e políticos"; da conscientização e do desenvolvimento das capacidades de todos "em termos de conhecimento, vontade, liberdade e responsabilidade, caso contrário não podemos esperar que as pessoas se sintam responsáveis pelo mundo em que vivem”; desde o lançamento de novos estilos de vida "justos e sustentáveis", até a adoção de "políticas corajosas para preservar o meio ambiente". A nota da Cáritas Internationalis conclui com o apelo "para rezar e agir para construir uma comunidade de solidariedade e amor".

Celebração Ecumênica

Instituído pelo Papa Francisco em 2015, o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação está agora em sua sexta edição. De caráter ecumênico, por ser celebrado junto com a Igreja Ortodoxa, marca o início do Tempo da Criação de 1 de setembro a 4 de outubro, a festa de São Francisco de Assis, um tempo dedicado pelos cristãos de todo o mundo à oração e à ação pelo cuidado da criação.

Vatican News Service – IP

Ver matéria completa ...
Nomeado o novo Núncio Apostólico para o Brasil

O Santo Padre nomeou o novo Núncio Apostólico para o Brasil. Trata-se de Sua Excelência Reverendíssima Dom Giambattista Diquattro, Arcebispo titular de Giromonte, até agora Núncio Apostólico na Índia e Nepal.

Giambattista Diquattro nasceu em Bolonha, Emília-Romanha, Itália, em 18 de março de 1954 é arcebispo, diplomata, teólogo e canonista. Foi ordenado sacerdote em 1981.  Recebeu seu mestrado em Direito Civil na Universidade de Catânia, e doutorado em Direito Canônico na Pontifícia Universidade Lateranense em Roma e mestrado em Teologia Dogmática na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma.

Entrou para o Serviço Diplomático da Santa Sé em 1º de maio de 1985, e serviu em missões diplomáticas nas representações pontifícias na República Centro-Africana, República Democrática do Congo e Chade, nas Nações Unidas em Nova York, e mais tarde na Secretaria de Estado do Vaticano, e na Nunciatura Apostólica na Itália. O Papa João Paulo II o nomeou núncio apostólico no Panamá em 2 de abril de 2005. Bento XVI o nomeou núncio apostólico na Bolívia em 21 de novembro de 2008 e em 21 de janeiro de 2017, o Papa Francisco o nomeou Núncio Apostólico na Índia e no Nepal. 

Ver matéria completa ...
Papa Francisco recorda o Jubileu da Terra

Depois do Angelus deste domingo, o Santo Padre recordou que na próxima terça-feira, dia 1º de setembro, é o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação.

“A partir desta data, até 4 de outubro, celebraremos com nossos irmãos e irmãs cristãos de várias Igrejas e tradições o “Jubileu da Terra”, para comemorar o estabelecimento, 50 anos atrás, do Dia Mundial da Terra”, afirmou.

Em seguida, fez algumas saudações, em especial lembrando o recente desastre ambiental ocorrido em Maurício:

“Saúdo as diversas iniciativas promovidas em todas as partes do mundo e, entre elas, o Concerto realizado hoje na Catedral de Port-Louis, capital de Maurício, onde infelizmente ocorreu recentemente um desastre ambiental”

Tensões no Mediterrâneo Oriental

O Papa também lembrou uma das mais iminentes crises que está ocorrendo no Mediterrâneo Oriental, referindo-se às graves tensões em uma estreita faixa marítima entre a Grécia e a Turquia. O motivo seria a posse de grandes recursos energéticos presentes na área.

Eis as palavras do Papa:

“Acompanho com preocupação as tensões na área do Mediterrâneo Oriental, que é minada por vários surtos de instabilidade. Por favor, apelo ao diálogo construtivo e ao respeito pela legalidade internacional para resolver os conflitos que ameaçam a paz dos povos daquela região”

Ver matéria completa ...
Cada um de nós deve tomar a própria cruz, explica Papa

Na oração do Angelus deste domingo, 30, o Papa Francisco refletiu sobre o compromisso de cada um de nós de “tomar a própria cruz”. O Santo Padre discorreu sobre o Evangelho de Mateus quando Jesus, pela primeira vez, falou aos seus discípulos sobre o final que o espera na Cidade Santa:

“Diz que terá que ‘sofrer muito por parte dos anciãos, dos chefes dos sacerdotes e dos escribas, e ser morto e ressuscitar ao terceiro dia’”, citou.

A reação dos discípulos a esta predição é considerada imatura por Jesus: “Ainda têm uma fé imatura e muito ligada à mentalidade deste mundo”. Eles não querem que Jesus passe por isso.

“Para Pedro e os outros discípulos – mas também para nós! – a cruz é um ‘escândalo’, enquanto Jesus considera um ‘escândalo’ fugir da cruz, o que significaria fugir da vontade do Pai, da missão que Ele lhe confiou para nossa salvação”

Tomar a própria cruz

Jesus, continua Francisco, aponta o caminho do verdadeiro discípulo mostrando duas atitudes: “A primeira é ‘renunciar a si mesmo’, o que não significa uma mudança superficial, mas uma conversão, uma inversão de valores. A outra atitude é tomar a própria cruz” . Explicando que “não se trata apenas de suportar pacientemente as tribulações diárias, mas de carregar com fé e responsabilidade aquela parte do esforço e do sofrimento que a luta contra o mal implica”.

O Papa aprofunda este ponto exortando: “Façamos com que a cruz pendurada na parede de casa ou a pequena que usamos no pescoço seja um sinal de nosso desejo de nos unirmos a Cristo no serviço a nossos irmãos com amor, especialmente os pequenos e mais frágeis”.

Jesus crucificado, verdadeiro Servo do Senhor

Em seguida, recorda ainda que a cruz é sinal sagrado do Amor de Deus e do Sacrifício de Jesus, e não deve ser reduzida a um objeto de superstição ou uma joia ornamental.

“Toda vez que fixamos o olhar na imagem de Cristo crucificado, pensamos que Ele, como verdadeiro Servo do Senhor, cumpriu Sua missão dando a vida, derramando Seu sangue para a remissão dos pecados”

Por fim ensina que “se quisermos ser seus discípulos, somos chamados a imitá-Lo, entregando nossas vidas sem reservas por amor a Deus e ao próximo”.

Ver matéria completa ...
Igreja no Brasil celebra de 9 a 15 de agosto a Semana Nacional da Família

Dentro do Mês Vocacional, a Igreja no Brasil celebra, na segunda semana de agosto, a Semana Nacional da Família, uma mobilização de grupos e comunidades que ocorre, desde 1992, com momentos de oração, formação e reflexão. Neste ano, a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propôs como tema “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24, 15).

Para animar a Semana Nacional da Família – do Dia dos Pais até o dia 15 de agosto – a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), organismo vinculado à Comissão Vida e Família da CNBB, elabora o subsídio “Hora da Família”, que começou a ser editado desde a vinda de São João Paulo II ao Brasil, em 1994. Neste ano de 2020, o material ganhou duas versões, uma com encontros mensais e outra especialmente preparada para a Semana Nacional da Família, agora chamada “Hora da Família Especial”.

O subsídio possui roteiro para os sete dias da semana com atividades que envolvem toda a família, sugestões de oração e de cantos. O material está disponível na versão impressa e também no aplicativo Estante Pastoral Familiar, numa versão digital.

“O Hora da Família se coloca a serviço da Igreja e da construção do Reino de Deus começando em nossas casas. Aproveitem cada encontro e animem sua comunidade a vivenciarem os temas propostos como um itinerário de aprofundamento da fé em família a serviço da comunidade”, motiva o bispo de Rio Grande (RS) e presidente da Comissão para a Vida e a Família da CNBB, dom Ricardo Hoepers.

Recordando a celebração das diversas vocações pela Igreja neste mês de agosto, o assessor da Comissão para a Vida e a Família e secretário executivo da CNPF, padre Crispim Guimarães, ressalta que o Hora da Família Especial, em comunhão com a Igreja, “celebra a vocação comum: ser família. Na família todas as vocações nascem e se encontram”.

Celebrar em tempos de pandemia

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RS) e secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Joel Portella Amado, recordou em mensagem o momento desafiador da pandemia do novo coronavírus, que tem imposto limites ao agir Pastoral “ameaçando e mesmo levando embora tantas vidas”.

Segundo dom Joel, o lema deste ano, “Eu e minha serviremos ao Senhor”, é muito adequado para o momento que estamos passando: “Eu tomo mesmo a liberdade de compreender o lema do seguinte modo: ‘Eu e minha casa serviremos ao Senhor com pandemia ou sem pandemia, no modo presencial ou no modo virtual’. Isso porque, em qualquer condição uma família que se volta para o Senhor em atitude de fé, atitude traduzida em escuta da Palavra de Deus e no serviço a Deus através do próximo, aqui está um aspecto irrenunciável da nossa fé”.

O casal coordenador nacional da Pastoral Familiar, Luiz e Kátia Stolf, deseja que seja possível fazer uma Semana da Família abençoada mesmo com a pandemia, com o isolamento social: “que possamos fazer em nossas casas, a nossa pequena Igreja doméstica, acontecer também a Semana da Família, com nossos filhos, com nossos netos, enfim, com aqueles que convivem conosco. Aproveitemos esse momento especial de graça que Deus está nos dando para realizar e também celebrar a Semana da Família”.

Luiz e Kátia motivam a participação da forma disponível, seja nas comunidades, nas paróquias ou nas suas casas, com um grupo de conhecidos online, de forma virtual. “Que muitos frutos possamos estar colhendo a partir dessa semana”.

Programação Nacional

Com a motivação para a promoção de programações paroquiais, diocesanas e regionais, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar fará dois momentos em âmbito nacional para abrir e fechar a Semana Nacional da Família.

No sábado, dia 8, haverá uma live com abertura do presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, e formação sobre o tema da Semana Nacional da Família, a partir das 10h, no canal da Pastoral Familiar no Youtube. André Parreira, sua esposa e seus filhos, da diocese de São João Del Rei (MG), aprofundarão o tema da Semana Nacional da Família. Também participa da transmissão ao vivo a psicóloga portuguesa Marta Pimenta, que falará sobre “A família no pós-pandemia”.

No dia 16 de agosto, a CNPF vai promover uma segunda live, desta vez para encerramento da Semana. Neste dia, a principal atração serão os próprios agentes de Pastoral, pois o foco do programa serão celebrações e trabalhos realizados durante a semana nas diversas comunidades. Os agentes são convidados a compartilharem fotos e pequenos vídeos em suas redes sociais com a hashtag #semananacionaldafamília. As publicações serão selecionadas e divulgadas durante a live.

Via CNBB

Ver matéria completa ...
Dia dos Pais - 2º Domingo de Agosto

Ser pai não é apenas gerar vidas.
Ser pai é muito mais, é estar ali, presente, marcando todos os momentos e contribuindo para a alegria da família.

Ser pai é participar, regando com carinho, amor e atenção, o fruto novo que necessita de cuidados para que possa se desenvolver e crescer saudável.

Ser pai é acompanhar todos os passos do filho, oferecendo, além de carinho e amor, segurança, bem-estar, educação e lazer.
Ser pai é conduzir o filho pelas veredas da vida, apontando o que é bom e o que é ruim. Ensinando que a vida é tão boa de se viver, e que cabe a nós dar rumo certo a ela.

Ser pai é promover o ensinamento e a educação da fé, mostrando a bondade e o amor de Deus para com a humanidade e que podemos e devemos imita-lo, sendo seus seguidores e promotores da paz.

Ser pai é ser amigo, companheiro, compreensivo e confidente, é saber escutar com o coração aberto. É estender a mão, não só na alegria, mas, principalmente nas adversidades.
Ser pai é carregar o filho no colo, brincar, correr, pular. É encher de alegria o pequenino ser. É também corrigir, sem, contudo, ofender a integridade física, fazendo com que o filho aprenda a ter respeito e não medo.

Ser pai é amar de corpo e alma, assim como Deus ama a cada um de nós, seus filhos. Ser pai é enxergar no sorriso do filho, uma bênção de Deus e a alegria da vida.

Ser pai é saber, juntamente com o filho, pintar a vida com as cores da felicidade. Ser pai é entender a criação como obra-prima de Deus e um presente Dele para conosco.

Ver matéria completa ...
Dia do Diácono - 10/08

No dia 10 de agosto a Igreja comemora o ‘dia do diácono’, na festa de São Lourenço, diácono e mártir, que é o patrono dos diáconos. O diácono é uma vocação ministerial para o serviço, seu nome vem do termo ‘diaconia’ que significa serviço.

O ministério diaconal possui três dimensões: o serviço da Palavra de Deus, o serviço da Caridade e o serviço da Liturgia. O ministério diaconal vem crescendo nas comunidades à medida que é compreendido o seu valor e contribuição para uma Igreja cada vez mais servidora. O Documento de Puebla manifesta a missão confiada aos diáconos.

“O diácono, colaborador do bispo e do presbítero, recebe uma graça sacramental própria. O carisma do diácono, sinal sacramental de Cristo-Servo, tem grande eficácia para a realização de uma Igreja servidora e pobre, que exerce sua função missionária com vistas à libertação integral do homem” (Puebla, 697).

Os diáconos podem ser transitórios ou permanentes. O diaconato transitório é o primeiro grau do Sacramento da Ordem. Os diáconos transitórios permanecem por um período específico até completar sua formação e serem ordenados sacerdotes. O diácono permanente é a expressão do ministério ordenado colocado o mais próximo possível da realidade laical e do protagonismo dos leigos.

O diácono permanente realiza atividades essenciais para a vida da Igreja. Eles podem administrar sacramentos (Batismo, Matrimônio e Eucaristia) e colaborar nas funções litúrgicas, como servir o altar, proclamar o Evangelho, convidar os fiéis para o abraço da paz e fazer a despedida da missa.

Ver matéria completa ...
Agosto: mês das Vocações

Nossa Igreja comemora no mês de agosto o mês das vocações, dedicando cada domingo a uma vocação específica:

1º domingo: é comemorado o dia do padre, assim celebramos as vocações de ministérios ordenados;

2º domingo: dia dos pais (celebra-se o dia daqueles chamados a vida matrimonial, logo a gerarem novas vidas para Deus, aqueles que são chamados a serem co criadores de Deus);

3º domingo: em virtude da comemoração da Assunção de Nossa Senhora ao Céu, é destacada a vocação religiosa feminina e masculina;

4º domingo: o apostolado leigo, e os catequistas;

O catequista é sempre comemorado no último domingo do mês, portanto quando no mês tem 5 domingos ele é transferido para este.

Vocação, em sentido mais preciso, é um chamamento, uma convocação vinda diretamente sobre mim, endereçada à minha pessoa, a partir da pessoa de Jesus Cristo, convocando-me a uma ligação toda própria e única com Ele, a segui-lo. (cf. Mc 2, 14). Vocação, portanto, significa que anterior a nós há um chamado, uma escolha pessoal que vem de Jesus Cristo, a quem seguimos com total empenho, como afirma São Paulo na Carta aos Romanos: “Eu, Paulo, servo de Jesus Cristo, apóstolo por vocação, escolhido para o Evangelho de Deus.” (Rom 1, 1)

Vocação é chamado e resposta. É uma semente divina ligada a um sim humano. Nem a percepção do chamado, nem a resposta a ele são tão fáceis e tão “naturais”. Exigem afinação ao divino e elaboração de si mesmo, sem as quais não há vocação verdadeira e real.

Ver matéria completa ...
Morre Dom Pedro Casaldáliga, bispo Emérito da Prelazia São Félix (MT)

A Prelazia de São Félix do Araguaia (MT), a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos) e a Ordem de Santo Agostinho (Agostinianos) comunicam o falecimento de Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia (Mato Grosso) e Missionário Claretiano, neste sábado, 8, na cidade de Batatais, no estado de São Paulo

O velório de Dom Pedro será realizado em três locais: em Batatais, no interior de SP, onde o corpo será velado neste sábado, 8, a partir das 15h, na capela do Claretiano (Centro Universitário de Batatais), unidade educativa dirigida pelos Missionários Claretianos, que fica à Rua Dom Bosco, 466, Castelo, Batatais (SP). A missa de exéquias será celebrada, em Batatais neste domingo, 9, às 15h, no endereço acima e será aberta ao público em geral, além de ser transmitida ao vivo neste link: https://youtu.be/spto8rbKye0, que estará aberto para que outros veículos de comunicação possam retransmitir.

Já em Ribeirão Cascalheira (MT) na segunda-feira, 10, o corpo de Dom Pedro será velado no Santuário dos Mártires, sem previsão de horário de chegada. Por fim, em São Félix do Araguaia, também no Mato Grosso, será realizado o sepultamento, mas sem previsão de chegada, uma vez que antes passará pela cidade de Ribeirão Cascalheira.

Breve histórico

Dom Pedro Casaldáliga ficou conhecido por atuar em defesa de direitos dos povos indígenas e o combate à violência dos conflitos agrários. O religioso chegou a Mato Grosso em 1970 para atuar como o primeiro bispo da Prelazia de São Félix do Araguaia, função que ocupou até 2005. Já nos primeiros anos na região, ao lado de outros padres espanhóis, envolveu-se com a defesa de povos indígenas, ameaçados pela violência dos conflitos agrários e pela expansão dos latifúndios.

Sua história já foi representada nos palcos do teatro, na peça “Fica Pedro”, encenada pela Companhia Cena Onze de Teatro. Nas telas do cinema teve a sua vida retratada no filme “Descalço sobre a Terra Vermelha”, coproduzido pela TV Brasil com mais duas televisões públicas, a espanhola TVE e a catalã TVC e baseado no livro que leva o mesmo nome, de autoria de Francesc Escribano.

Ele já viu a Terra Indígena de Marãiwatsédése, razão maior de sua luta, ser reconhecida pela justiça brasileira e devolvida ao povo Xavante do Mato Grosso, em dezembro de 2012. O engajamento do bispo emérito lhe transformou em referência internacional na luta por direitos dos indígenas e direitos humanos.

Ver matéria completa ...
Somente sem armas nucleares a paz florescerá, frisa Papa em mensagem

O Papa Francisco se dirige às pessoas que, nesta quinta-feira, 6, em Hiroshima e em todo o Japão, recordam as milhares de vítimas da primeira bomba nuclear. Francisco saúda os sobreviventes do hibakusha, termo japonês que se refere aos que sobreviveram à explosão atômica.

“Tive o privilégio de ir pessoalmente às cidades de Hiroshima e Nagasaki, durante minha visita apostólica em novembro do ano passado, em que visitei o Memorial da Paz de Hiroshima e o Parque Hipocentro de Nagasaki”, escreve o Pontífice na mensagem enviada ao governador da província de Hiroshima, Hidehiko Yuzaki. Nesses lugares, Francisco meditou sobre a aniquilação das muitas vidas humanas e das duas cidades. Mais uma vez o Santo Padre tornou-se defensor e portador do grito dos pobres, que estão sempre entre as primeiras vítimas da violência e dos conflitos.

A escolha da paz

“Para que a paz floresça”, enfatiza Francisco em sua mensagem, “todos devem depor suas armas, sobretudo as mais poderosas e destruidoras, como as armas nucleares, que podem paralisar e destruir cidades, países inteiros”.
O Papa repete o que disse no Memorial da Paz de Hiroshima, em 24 de novembro de 2019: “O uso da energia atômica para fins bélicos é imoral, assim como a posse de armas nucleares é imoral. Que as vozes proféticas dos sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki continuem servindo de aviso para nós e para as gerações futuras”, conclui o Papa.

Ver matéria completa ...
Jesus é a mão do Pai que nunca nos abandona, afirma Papa

Procurar nos abandonarmos “com confiança a Deus em cada momento da nossa vida, especialmente na hora da provação e da perturbação”. Esse é o convite feito pelo Papa Francisco no Angelus deste domingo, 9. Da Praça de São Pedro, o Santo Padre recordou a passagem do Evangelho em que Jesus “caminha sobre a água do lago”, enquanto a barca dos discípulos era blocada por causa de uma tempestade.

“A barca à mercê da tempestade é a imagem da Igreja, que em todas as épocas encontra ventos contrários, às vezes com provas muito duras: pensemos a certas perseguições longas e ferozes do século passado e, também hoje, em algumas partes. Nesses tempos, pode existir a tentação de pensar que Deus o abandonou. Mas, na realidade, é precisamente nesses momentos que resplandece ainda mais o testemunho da fé, do amor e da esperança. É a presença de Cristo Ressuscitado na sua Igreja que dá a graça de testemunhar até o martírio, do qual brotam novos cristãos e frutos de reconciliação e paz para o mundo inteiro. ‘Senhor, salva-me!’ É uma bela oração!”.

Como no caso de Pedro, que tinha medo de afundar – recordou o Pontífice, às vezes homens e mulheres ficam assustados e abalados pelo medo, mas “Jesus é a mão do Pai que nunca nos abandona; a mão forte e fiel do Pai, que sempre e só quer o nosso bem”.

“Ter fé significa, em meio à tempestade, manter o próprio coração voltado para Deus, para o seu amor, para a sua ternura de Pai. Jesus queria ensinar isso a Pedro e aos discípulos, e também a nós hoje. Nos momentos de trevas, nos momentos de tristeza, Ele sabe bem que a nossa fé é pobre – todos nós, né!, somos pessoas de pouca fé: todos nós, também eu, todos – e pobre é a fé e que o nosso caminho pode ser perturbado, bloqueado por forças adversas. Mas Ele é o Ressuscitado, não esqueçamos disso: Ele é o Senhor que passou pela morte para nos levar para um lugar seguro. Mesmo antes de O começarmos a procurar, Ele está presente ao nosso lado. E, nos reerguendo das nossas quedas, nos faz crescer na fé.”

Clique aqui para ver mais Matérias